Na semana passada, falamos de uma lei do Reino Unido, que exigirá que sites pornográficos contem com um sistema de verificação de idade, fazendo com que somente maiores de 18 tenham acesso. No entanto, a lei não deveria subestimar a capacidade de as pessoas sempre acharem uma forma de consumir conteúdo pornográfico. Tanto é que até a agência reguladora admire esta possibilidade.

O BBFC (British Board of Film Classification), um órgão sem fins lucrativos que regula conteúdos de mídia, vai supervisionar e aplicar as leis de verificação de idade no Reino Unido. Segundo o Telegraph, a entidade reconhece que VPNs (Redes Privadas Virtuais) permitirão que os usuários consigam burlar o processo de verificação de idade. As VPNs permitem que os usuários falsifiquem a localização de seu acesso, fazendo com que eles possam criar uma conta fora do Reino Unido e burlem o mecanismo.

Falando especificamente sobre a possibilidade de adolescentes usarem VPNs para ver conteúdos adultos, o BBFC disse que a tecnologia de verificação de idade “não é uma bala de prata”, dando a entender que não é o modo definitivo para impedir que crianças tenham acesso à pornografia.

O Pornhub, por exemplo, lançou seu próprio serviço de VPN, chamado de VPNhub, com a intenção de dar aos usuários a habilidade de assistir aos conteúdos de forma mais segura e privada. “Um outro benefício de uma VPN é que sua localização pode ser modificada, o que permitirá que você acesse conteúdos bloqueados geograficamente”, informa o app em sua seção de perguntas e respostas.

Curiosamente, a MindGeek, empresa que é dona do Pornhub e de outros sites pornográficos, também criou seu próprio sistema de verificação de idade, chamado AgeID, que será usado em websites do próprio grupo para que as pessoas digam suas idades para assistirem aos conteúdos.

Ao Telegraph, a MindGeek diz que o VPNhub não estará disponível no Reino Unido, pois assim que as novas leis forem aplicadas, não será mais possível ter tal tipo de app sem verificação de idade.

“Alguns adolescentes determinados vão encontrar formas de acessar pornografia”, disse uma porta-voz do BBFC ao Telegraph. “No entanto, isso significará que crianças pequenas não poderão mais acessar pornografia sites de conteúdo adulto comerciais.”

Mesmo que o VPNhub bloqueie de fato seu uso por menores de idade, ele não é a única opção. E além de dar mais segurança para quem acessa redes públicas, especialistas preveem que haverá um mercado ilegal para os cartões e códigos digitais que serão necessários para as pessoas provarem que têm idade suficiente para assistir pornografia. Além disso, um estudo do ano passado do Oxford Internet Institute concluiu que os filtros de internet para material sexual online “são totalmente ineficazes”.

Isso tudo é praticamente um jogo de rato e gato proposto pelo governo britânico. Apesar da boa intenção, existe grande chance de os mecanismos serem burlados pelos usuários. A partir de 15 de julho, quando a lei passa a vigorar, devemos ouvir os primeiros relatos de como isso vai acontecer e se os mecanismos de checagem de idade, de fato, vão funcionar ou não.

[The Telegraph]