A ideia de uma central para sua casa inteligente é empolgante. Uma pequena tela onde você pode ligar/desligar todas as luzes, ligar a TV, ver quem está na sua porta e pré-aquecer o forno para preparar seu jantar? Pô, isso é legal demais! Essas são as promessas do Google para o Home Hub. O Google, no entanto, não entrega tudo isso. O novo Home Hub deixa a desejar, pelo menos, por ora.

Google Home Hub é uma smart display para controlar sua casa e auxiliar na cozinha
Numa tacada, a Amazon lançou um micro-ondas, um monte de alto-falantes e um caminhão de gadgets

No entanto, não deixa de ser um bom gadget. O Home Hub, que custa US$ 150, é um belo tablet com um bonito apoio. A base inclui alto-falantes que não são bons o suficiente para tocar música, mas são o suficiente para tocar vídeos do YouTube. A tela de 7 polegadas não impressiona pela qualidade de imagem, no entanto vem com a nova função Ambient EQ, que ajusta o sistema de luz da sua casa para criar um aspecto mais agradável. A câmera, bem, não tem câmera no dispositivo, então você não precisa ficar paranóico sobre hackers tentando invadí-lo e te verem caminhando nu por sua casa. Isso também significa que você não poderá fazer videochamadas, mas eu acho que você não iria querer mesmo fazer.

Home Hub

O que é?
Um Google Home (alto-falante inteligente) com uma tela

Preço
US$ 150

Gostei
Bom para controlar dispositivos de casa inteligente.

Não gostei
Às vezes tem problemas para funcionar com gadgets que não são do Google.

Para a maioria das pessoas, o Home Hub é uma forma bonita de se olhar a previsão do tempo e desligar as luzes. Para outros, é uma forma muito fácil de ver receitas enquanto se cozinha. Para alguns, é uma forma limitada de navegar na internet, algo que é possível fazer ao deslizar o dedo sob a tela para ver as manchetes do Google News ou compromissos na Agenda do Google.

Eu diria que estou no grupo das pessoas que usaria o gadget para acompanhar receitas. Você pode dizer: “Ei, Google, mostre-me uma receita de frango à parmegiana”, e ele mostrará alguns cards com a receita que você quer fazer. Toque em uma delas ou diga o título da que deseja ver, e você verá uma versão simplificada com os passos necessário para a receita. Mais um deslize na tela ou um “Ei, Google, o próximo passo” conduzirá você pelo processo de fazer um bom jantar. (O Home Hub é tão compacto e leve que eu me peguei, às vezes, movendo o equipamento ao interagir com a tela). Tem ainda um charminho no processo de acompanhar receitas, pois o Google coloca uma imagem de cada ingrediente como plano de fundo de cada passo. É também tremendamente útil o fato de que eu posso apenas tocar na tela para ver o próximo passo, pois eu não quero ficar a toda hora dizendo “ei, Google” para minha assistente de cozinha.

Home Hub pode ser seu melhor livro de receitas digitais. Crédito: Adam Clark Estes/Gizmodo

E é nessa toada que o Home Hub segue. Tudo que você faz nele é um pouco mais fácil e um pouco mais legal do que poderia ser feito com outros dispositivos. Você pode, por exemplo, ver as receitas em um tablet convencional, mas você não consegue falar com ele do mesmo jeito que acontece com o Home Hub. Você pode perguntar sobre o clima para um dispositivo Google Home, embora você não consiga dar uma olhada e ver detalhes das condições meteorológicas. Você pode também controlar o sistema de luz conectado da sua casa diretamente de um smartphone, mesmo que isso seja chato, pois exige que ache um app e selecione as opções corretas. O Home Hub torna tudo isso mais fácil, mas há algumas limitações (e problemas) que podem significar sua derrocada.

Meu ponto é que o Home Hub não é perfeito. É uma crítica justa para qualquer dispositivo, mas é particularmente importante neste aqui, pois o Google tinha me dado esperanças de que iria resolver o dilema de casas inteligentes quando anunciou o Home Hub. Sempre existiram produtos, como as lâmpadas Philips Hue ou qualquer coisa feita pela Nest, que funcionavam bem com seus apps próprios. Nunca teve um console central para casas inteligentes que permitisse controlar tudo. Ao anunciar o produto, o Google vendeu o Home Hub como uma espécie de console junto com uma visão de que, com ele, seria possível controlar todos seus dispositivos.

Se você não quiser fazer tudo usando sua voz, o Google torna fácil a tarefa de deslizar entre os apps. Crédito: Adam Clark Estes/Gizmodo

Não rola isso ainda. O Home Hub é a primeira versão problemática de um gadget que eu posso amar num futuro próximo. Para tudo que ele faz sem falhas (como a questão das receitas), ele tem dificuldade em outras. Abaixo, descrevo um pouco como foi minha experiência.

Configurando a casa inteligente

Quando eu liguei o Home Hub, meu apartamento estava cheio de alguns gadgets de casa inteligente desconectados. Eu tentei configurar o mínimo possível para ter fazer do Home Hub um console para controlar tudo, o que inclui lâmpadas, smart plugs (tomadas inteligentes), uma smart TV e alto-falantes sem fio. Para fazer todos meus aparelhos funcionarem com o Home Hub, eu tive que adicionar cada aparelho no app do Google Home. Bem, na verdade, eu tive que ligar as lâmpadas Philips Hue de forma independente e, então, conectar meu app Hue ao app do Google Home. Esses passos adicionais são necessários, em parte, pois o Home Hub não oferece suporte a Zigbee ou Z-Wave (ambos padrões de conexão de aparelhos sem fio), então alguns dispositivos precisam de um hub independente. Configurar tudo foi um pouco chato, mas isso foi logo superado.

Tudo começou a funcionar após a configuração. Ajustar as lâmpadas Philips Hue não foi um problema, o que não me surpreendeu tanto, pois elas também funcionam com o Google Home. Minhas tomadas inteligentes também funcionaram, mas, novamente, até aí tudo bem, pois foram desenvolvidas para oferecer suporte ao Google Assistente. Mas eu comecei a ficar frustrado quando tentei assistir vídeos.

O Home Hub é muito pequeno para fazer algo além de ver alguns vídeos do YouTube enquanto você espera a água ferver. O fácil acesso ao YouTube é uma boa se você gosta de ver vídeos de receitas, o que é algo bem integrado ao Home Hub, que auxilia a visualização dos ingredientes. No entanto, assim que você começa a sair do ecossistema do Google, as coisas começam a não funcionar tão bem.

O Google Home Hub até queria funcionar com minha TV da Vizio, que vem com um Chromecast embutido. Enviar um vídeo do YouTube do Home Hub para a TV? Tarefa fácil. Interromper um filme da Netflix na TV usando o Home Hub? Aí complica. Primeiro de tudo, você não consegue ver conteúdo da Netflix no Home Hub — não que você precise disso. Você pode transmitir vídeos para a TV, mas este processo é complicado e cheio de bugs. Não dá para navegar, por exemplo. Não rola de executar comandos como “ei, Google, me mostre alguns filmes de comédia na Netflix”. O Home Hub possibilita que você peça para ver um filme ou um programa em específico, e você deve especificar que quer assistir via Chromecast. Se você só disser “ei, Google, assistir Advogado do Diabo na Netflix”, o dispositivo vai notificá-lo de que não pode rodar filmes da Netflix na tela do aparelho do Google. “Ei, Google, assistir Advogado do Diabo na Netflix usando o Chromecast” funcionou para mim, mas às vezes não rolava.

Ouvir música em aparelhos não-Google foi ainda mais frustrante. Meu sistema de áudio de casa inclui dois alto-falantes Sonos e uma soundbar da Vizio. Os alto-falantes Sonos não funcionam com o Google Assistente — ainda que a empresa tenha dito que funcionaria em algum momento deste ano —, então não foi um bom começo. A soundbar Vizio poderia funcionar, se eu disser para o Home Hub transmitir a música para a TV. Deve haver um elo fraco nessa cadeia, pois eu não consegui fazer funcionar de forma confiável. “Ei, Google, toque Spotify na TV” funcionou algumas vezes, mas na maioria, não. O Home Hub frequentemente não reconhecia o comando.

O Google Pixel 3 (esq.) é cerca de dois terços o tamanho do display do Home Hub (dir.). Crédito: Adam Clark Estes/Gizmodo

Vou atribuir esses problemas a bugs de software. Isso que eu descrevi sobre a Netflix pode ser que desapareça em uma próxima atualização do software do Home Hub. Meus problemas com música poderiam ser evitados se eu tivesse um alto-falante Google Home Max em vez de um Sonos Play:5. Sobre os outros dispositivos conectados, vi demonstrações bem legais com dispositivos Nest no evento #madebygoogle, mas eu não consegui instalar um termostato ou uma campainha com câmera no meu apartamento. Os aparelhos Nest devem funcionar bem com o Home Hub, pois é o Google que os desenvolve. Mais uma vez, na minha experiência, todos os produtos feitos pelo Google ou que suportam serviços da empresa funcionaram bem com o Home Hub.

Tudo isso contribui para uma proposta de valor. Há vários alto-falantes ativados por voz com tela que também se dizem uma central para casa. Por US$ 230, a segunda geração do Amazon Echo Show executa as mesmas tarefas do Home Hub e também tem suporte às tecnologias Zigbee e Z-Wave. Não consegui testá-lo ainda, mas os reviews têm sido bem positivos.

Tem ainda vários dispositivos que suportam o Google Assistente feitos por terceiros. Nós já analisamos o Lenovo Smart Display, que custa US$ 200, e curtimos o aparelho. Por US$ 150, o Google Home Hub é a mais barata das opções. E é apenas US$ 20 mais cara que um Google Home convencional nos EUA. Então, se você está considerando comprar um Google Home, é um bom negócio gastar um dinheiro extra para ter um Home Hub com tela e suas funcionalidades extra.

Deixe eu fazer uma previsão: você vai querer a versão com tela. Usar a voz para executar comandos em casa é limitado, em minha opinião. Às vezes, eu só quero tocar em uma tela e que isso resulte em alguma ação. E, como já disse anteriormente, você pode desligar o microfone do Home Hub e usá-lo como um tablet com apoio. Eu costumava usar meus dedos sujos para manipular o iPad para ver receitas e morrendo de medo de derrubá-lo no lava-louças. O Home Hub vale a pena só para evitar essa situação esquisita na cozinha.

Resumindo, o Home Hub é uma boa companhia para cozinheiros. Também gostei das ações básicas de controle de casa, como lâmpadas e tomadas inteligentes. A parte de entretenimento ainda precisa melhorar, e o Google pode fazer isso por meio de atualizações de software. Dito isso, este gadget parece vir do futuro, por mais frustrante que o amanhã possa parecer.