O Google tem uma participação bem tímida no mercado brasileiro de alto-falantes inteligentes, hoje dominado principalmente pelos dispositivos Echo, da Amazon. Mas a empresa dona do buscador mais famoso do mundo não virou as costas para esse segmento, e no final de abril lançou por aqui o Google Nest Audio por salgados R$ 849.

Este é o segundo aparelho da linha Nest com Google Assistente integrado que a companhia traz ao Brasil — o primeiro foi o Nest Mini, de novembro de 2019. Portanto, as semelhanças, já que o Nest Audio parece uma versão gigante do modelo anterior. Como o próprio nome sugere, o foco do produto é justamente no alcance e volume sonoro. Além, claro, de manter vários dispositivos da sua casa integrados em um só lugar, podendo controlá-los via comandos de voz. Será que ele cumpre essas promessas? É o que eu te conto nesta análise.

Google Nest Audio

Imagem: Caio Carvalho/Gizmodo Brasil

O que é
Um alto-falante inteligente com som encorpado, tamanho maior e Google Assistente

Preço
Sugerido: R$ 849. No varejo: em média, R$ 650

Gostei
Som alto que faz toda a diferença; Google Assistente segue evoluindo à frente dos rivais; Chromecast integrado; pode ser pareado em dois para som estéreo

Não gostei
Compatível com poucos apps; somente duas opções de cores no Brasil; por esse preço, fica difícil te defender

Design

Eu entendo o fato de o Google querer um dispositivo maior para aumentar o som emitido por ele. Acontece que isso pode não agradar muita gente, já que o aparelho, comparado ao Nest Mini, não é tão compacto, ocupando um espaço maior. São 17,5 centímetros de altura e 12,6 cm de largura. Também não é leve, pesando pouco mais de 1,1 kg, e obrigatoriamente ele precisa ficar em pé em algum móvel. O Nest Mini, por sua vez, tem uma entrada na parte traseira que permite pendurá-lo em uma parede.

Ainda assim, o alto-falante passa ares de requinte por ser discreto visualmente, sem nada muito chamativo. E nem tinha como: apenas duas cores (giz e carvão) podem ser encontradas por aqui. Pois é, infelizmente, não foi dessa vez que mais opções, entre elas a verde e a coral, vieram para o Brasil. Além disso, o Nest Audio mantém as características sustentáveis de modelos anteriores: 70% de toda a estrutura, que inclui o tecido somado à caixa protetora, apoio e a outras partes menores, é feita com plástico reciclado.

Imagem: Caio Carvalho/Gizmodo Brasil

O Nest Audio só tem um botão físico na traseira que serve para ligar ou desativar os três microfones integrados presentes no dispositivo. É também na traseira que fica a entrada para conectar o cabo de energia à fonte de alimentação, que tem 30 W. Os demais comandos manuais acontecem por meio de sensores na parte superior; um toque na parte mais à esquerda diminui o volume, enquanto que à direita você aumenta o volume; já um toque na área central pausa ou continua a reprodução atual de músicas ou podcasts.

Essa disposição de controles funciona bem no dia a dia, e não tive dificuldades de acertar a área correspondente ao comando, embora elas fiquem bem próximas umas às outras. Contudo, foram pouquíssimas as vezes que recorri aos controles manuais, uma vez que os comandos de voz foram bem precisos comigo durante os meus testes. Eu usei mais o botão de microfone na parte traseira quando eu não queria que o alto-falante ouvisse minhas conversas. Inclusive, quatro LEDs na parte da frente do aparelho ficam em laranja quando os microfones forem silenciados.

Configuração, recursos e Google Assistente

A “instalação” do Google Nest Audio é bem direta ao ponto: coloque ele em algum canto da sua casa em que ele consiga captar sua voz, baixe o aplicativo Google Home para Android ou iOS, faça login com sua conta Google e escolha uma rede Wi-Fi. De resto, é só ir adicionando no app os dispositivos inteligentes da sua casa, como lâmpadas e TVs, além de serviços compatíveis com Google Assistente, entre eles Netflix, Spotify e YouTube Music.

Se você tem um smartphone Android ou já fez uso do Google Assistente em qualquer outro dispositivo, a boa notícia é que a experiência é basicamente a mesma ao ativar o Google Nest Audio por voz. Eu ainda tenho o Nest Mini de 2019, e é surreal ver o quanto a inteligência artificial do Google evoluiu em pouco mais de um ano e meio. Isso se traduz na forma como o Assistente fornece as respostas, que hoje em dia estão ainda mais personalizadas e sem ter tanto aquela sensação de se estar falando com uma máquina. Cerca de dois dias usando o Nest Audio para acender as lâmpadas ou ligar a TV, o Assistente passou a me chamar pelo nome na maioria das frases, sem eu ter feito nenhuma configuração manual.

Imagem: Caio Carvalho/Gizmodo Brasil

Um outro recurso que eu achei bem bacana é o de transformar o Nest Audio em um telefone dentro de casa, desde que você tenha mais de um dispositivo Nest. Usando o Google Duo, eu liguei para o Nest Mini do meu quarto. Acredito que essa função pode ser útil para quem mora em uma casa com dois ou mais andares e queira checar como estão as coisas em um determinado cômodo, mesmo a distância. Pais, babás ou cuidadores de idosos, por exemplo, podem ligar para um segundo aparelho Nest e conversar com a pessoa do outro lado sem precisar ir até ela frequentemente.

Eu notei que o Nest Audio é mais rápido no entendimento e execução de um comando do que o Nest Mini. Eu não preciso fazer uma pausa entre o “Ok, Google” e o que eu quero que ele faça — eu posso falar a frase em uma tacada só. Lembrando que o dispositivo tem conectividade Bluetooth 5.0, Wi-Fi 802.11b/g/n/ac (2,4 GHz e 5 GHz) e Chromecast integrado. E você ainda tem a opção de escolher se o Nest Audio vai responder apenas à sua voz ou às falas de qualquer pessoa. É possível configurar as vozes de até seis pessoas, já incluindo a sua.

Imagem: Caio Carvalho/Gizmodo Brasil

Em contrapartida, o Nest Audio perde para a Alexa na oferta de apps compatíveis. Para vídeos, apenas Netflix e Disney+ são suportados — neste caso, pedir para que o alto-falante abra uma das plataformas no televisor; para áudios, somente o YouTube Music e o Spotify. Como o Apple Music é meu serviço primário para ouvir músicas, acabou que eu me limitava a uma das duas opções disponíveis para o aparelho. Na maior parte do tempo, eu usei o YouTube Music vinculado à minha conta no YouTube Premium, mas seria mais prático se eu tivesse a opção de reproduzir playlists diretamente pelo meu Apple Music. O Spotify funciona, mas não parece totalmente otimizado para o alto-falante, já que, em várias situações, não tocava o que eu pedia.

Som e microfone

O sufixo “Audio” no novo Google Nest não é à toa. A empresa diz que o dispositivo “foi criado por uma equipe de especialistas em áudio que inclui músicos, produtores musicais, designers de som e especialistas em machine learning”, que “investiram mais de 500 horas de ajustes para garantir o melhor equilíbrio entre graves, médios e agudos, a fim de oferecer um som encorpado, claro e natural”.

Para dar conta do recado, em especial nos sons graves, o aparelho tem um woofer de 75 mm e um tweeter de 19 mm, que se traduzem em um volume 75% mais altos e graves 50% mais potentes do que o Google Home original, de 2016. Se quiser, é possível emparelhar outros dois dispositivos de áudio que, segundo o Google, garantem uma experiência de som estéreo.

Eu testei o Google Nest Audio no escritório, na sala e no quarto aqui de casa. Os dois primeiros são ambientes pequenos, mas possuem poucos móveis, o que acaba por amplificar o som. E foi essa a sensação: de que o áudio percorreu todo o cômodo e ficou melhor distribuído. Mesmo estando em outro cômodo, eu consegui ouvir a potência dos sons, o que só reforça o ótimo alcance do alto-falante do Google. O áudio também não saiu distorcido em momento algum.

Imagem: Caio Carvalho/Gizmodo Brasil

Já no meu quarto, o Nest Audio também entregou resultados satisfatórios. Porém, como é um local com mais móveis e menos espaço livre, o som saiu ligeiramente abafado, possivelmente porque as chances de esbarrar em algum objeto são maiores.

Aliás, foi exatamente isso o que aconteceu durante alguns testes com os três microfones do alto-falante. Enquanto que com a Alexa (aqui em casa tenho um Echo Dot de 4ª geração) eu posso falar a uma certa distância mesmo com alguma coisa no meio do caminho, o Nest Audio não atinge essa mesma sensibilidade. Se o cômodo estiver com bastante barulho, também não espere que ele te responda, a não ser que você grite.

Assine a newsletter do Gizmodo

Vale a pena?

Comparando os dispositivos Amazon Echo com Google Nest, eu afirmo que a experiência é praticamente a mesma — salvo um detalhe aqui e outro ali, dependendo do aparelho escolhido. O Google Nest Audio pode não ter o design moderno de um Echo, mas tem algo que ele ganha da Alexa: a personalização das respostas. Quando dizem que o Google sabe tudo sobre você, é porque é verdade. E qual maneira melhor de usar todos esses dados à seu favor? Não é que a Alexa seja robótica; ela só não interage de uma maneira mais natural (ainda).

Imagem: Caio Carvalho/Gizmodo Brasil

Na parte sonora, que é justamente o foco do Nest Audio, também destaco o excelente trabalho do Google em manter os graves potentes. O som não sai distorcido em volumes mais altos, e o app do Google Home pode ajudar a personalizar ainda mais a utilização, que já é bastante simples por si só. É verdade que o design mais avantajado e a falta de mais apps para serem controlados por voz podem não agradar todo mundo, mas ao colocar na balança o que há de positivo e negativo, o primeiro sai ganhando.

Eu só esperaria mais alguns meses para que o preço de R$ 849 do Google Nest Audio diminua mais um pouco. Por esse valor, dá para adquirir dois Echo Dots de 4ª geração, e ainda sobram uns trocados, ou quase três (!) de 3ª geração. Quem não aguenta esperar, o preço é salgado, mas vale o investimento.