por Christina Warren

A Nintendo certamente moldou minha infância. Assim como milhões de outras crianças, eu ganhei um Nintendo Entertainment System de Natal em 1988. Ele mudou minha vida. Aos seis anos, este foi o meu primeiro “gadget” de verdade, e foi amor à primeira vista.



O novo console retrô da Nintendo é um pequeno computador com Linux por dentro

É por isso que tirar o novo NES Classic Edition da caixa foi tão emocionante para mim. Porque, vinte e oito anos depois desse Natal fatídico, eu ainda amo gadgets, eu ainda adoro a Nintendo, e eu ainda curto esses jogos clássicos.

Quando o NES Classic Edition foi anunciado, eu fiquei animada com a ideia de ter acesso fácil a 30 jogos clássicos da Nintendo. Além disso, o formato minúsculo com um controle de tamanho completo era uma proposta emocionante.

Eu já tive consoles retrô antes. Há muitos anos, eu comprei um Atari Flashback, e ele era bacana para jogar Centipede e Pong na tela grande. Mas eu não tive o Atari 2600 – nem acompanhei a época em que o jogo ET condenou o console e a indústria de videogames – então ele não tinha o mesmo apelo ou nostalgia.

O NES é diferente. Eu passei horas jogando nele quando era criança, e os jogos inclusos com o mini-console são aqueles que lembro com intensidade.

NES Classic Edition review (2)
NES Classic ao lado de um iPhone 7 Plus.

O NES Classic é minúsculo, mas projetado para se parecer com o NES original (não o modelo com cartucho na parte superior que eu ganhei em meu 10º aniversário depois que o NES original saiu de linha).

Ele vem com apenas um controle com fio, que se parece com o joystick original, embora um pouco mais leve. Você pode adquirir controles extras por US$ 10, e a Nyko criou uma opção sem fio. Também na caixa estão um cabo HDMI e um adaptador USB. Conectei com êxito o mini NES à porta USB da minha TV para energia.

NES Classic Edition review (3)
A interface da biblioteca de jogos. Você acessa esta tela de dentro de um jogo pressionando o botão Reset no console.

A configuração é simples: basta conectá-lo a energia e pressionar o botão liga/desliga. Então, uma tela permitirá que você navegue por todos os jogos disponíveis.

Você também pode acessar as opções, que incluem três modos de visualização diferentes. O CRT Filter tenta replicar as linhas e a sensação de uma TV antiga; o modo 4:3 é a mesma proporção que você costumava ver quando criança; e o modo Pixel Perfect reproduz melhor o que os designers dos jogos viam originalmente ao programá-los. Em meus testes, achei que o modo 4:3 tinha o melhor equilíbrio para a nostalgia retrô.

Você pode então selecionar jogos a partir do menu e começar a jogar. As cores são nítidas e os jogos ficam muito melhores do que no Virtual Console do Wii U. Na verdade, como alguém que vem jogando games emulados desde a década de 90, acho que estes devem ser os melhores jogos emulados de NES que eu vi.

NES Classic Edition review (4)
Super Mario Bros. 3 no modo Pixel Perfect

E uma vez que você começa a jogar, a resposta aos seus comandos é rápida e parece perfeita. Certifique-se, no entanto, de desligar o “modo jogo” ou “modo cinema” em sua TV para não ter nenhum delay. É que a taxa de atualização em TVs modernas pode prejudicar o timing de jogos antigos, e isso pode tornar mais difícil jogar coisas como Punch Out! Ou Galaga.

Quando você terminar de jogar, aperte o botão Reset no console para voltar ao menu principal. A partir daí, você pode salvar o estado do seu jogo em um dos quatro slots oferecidos para cada título. Eu gostaria que a Nintendo oferecesse uma maneira mais fácil de voltar para a tela principal sem ter que pressionar o botão Reset, mas a interface em si funciona bem.

Minha única reclamação real quanto ao NES Classic Edition é sobre o comprimento dos cabos do controle. Ele tem aproximadamente 75 cm de comprimento, então para jogar a uma distância confortável, ou eu tive que usar cabos HDMI e USB longos e puxar o console para perto de mim, ou me sentar bem na frente da TV.

NES Classic Edition review (6)
Essa tampa é apenas estética e não abre.

Quanto aos jogos em si, eles são tão bons quanto eu me lembrava. Com Super Mario Bros. 3 – meu videogame favorito de todos os tempos – eu estava de volta à ação encontrando Warp Whistles e lutando contra Koopalings. Jogar Punch Out! sem Mike Tyson parece estranho, mas ainda é emocionante. Alguns vão reclamar sobre a limitação de apenas 30 jogos que vêm no console, mas acho que isso é bom.

Mesmo que, por anos, eu tenha emulado cópias de todos esses jogos para NES, ainda há algo legal em rodá-los em uma TV com um controle clássico. E por US$ 60, eu recomendo.

Destaques

• A seleção de jogos é boa, mas fixa, e como o console não tem conexão à internet, você não poderá instalar mais jogos

• O comprimento dos controles é curto demais. Prepare-se para um cabo HDMI longo ou para comprar um controle sem fio de terceiros.

• A porta na parte de cima do mini NES não abre, é apenas decorativa.

• Por US$ 60, este é um ótimo presente para qualquer pessoa entre 20 e 40 anos. Ele vai trazer muitas memórias.

• Todo mundo para quem eu mostrei o NES Classic Edition reagiu da mesma maneira: com admiração. E então eles perguntaram quando a Nintendo vai lançar uma versão Super NES dele. Eu concordo, isso seria épico. Nintendo, faça isso.