Quando você olha o design dos últimos aparelhos da Apple, Samsung e do Google, podemos concluir que existe pouca diferença dos smartphones lançados neste ano comparado com os do ano passado. Enquanto isso, todas as outras fabricantes parecem satisfeitas ao entrar na onda da tela com notch e usar uma estética semelhante. E quando você pensa que 2018 vai acabar apenas com smartphones chatos e iguais, a Oppo vai lá e faz o Find X, um dispositivo que mostra que a criatividade ainda não está morta e que enterra a ideia de que não existe forma de superar o recorte na tela.

[Review] Google Pixel 3: um outro jeito de fazer um baita smartphone
[Review] Zenfone 5: eu te conheço de algum lugar?

O Find X tem uma aparência de elegante simplicidade. Ele conta com laterais revestidas de vidro, enquanto o fino contorno na parte de fora da tela destaca o display, como um quadro de uma bela pintura. Mesmo na parte traseira, o dispositivo se destaca com sofisticações sutis como a parte retrátil que conta com um vidro esfumaçado. A única indicação do recurso mais nerd no Find X é um pedaço de plástico fino onde fica a câmera.

Todas essas coisas trabalham juntas para assegurar que nada vai distrair você da tela do Find X, que é exatamente o que queremos. Com uma tela AMOLED de 6,42 polegadas com resolução de 2.340 x 1.080, o Find X oferece uma das experiências de visão mais imersivas já oferecidas em um smartphone. O único probleminha, mínimo mesmo, é que o pico de brilho do Find X é 425 nits — 20% a 30% mais fraco que os novos Galaxy e os novos iPhones. Quando se está em um lugar fechado ou com sombra, isto não chega a ser um problema, mas se você fica no smartphone num lugar aberto e utilizando por muito tempo, não é tão legal.

Para ver o aparelho “brilhando”, tudo que você precisa fazer é desbloquear o telefone ou acionar o app da câmera para acionar a lente frontal motorizada do Find X, que se abre como uma entrada secreta de um esconderijo do James Bond. A câmera não serve só para tirar boas fotos, mas também para escanear o rosto e liberar o dispositivo, de modo que você não precise digitar uma senha 50 vezes em um dia — lembre-se que o Find X não tem um sensor de biometria.

Como os faróis de carros da década de 80 e 90, a câmera motorizada do Find X é bem bacana. Crédito: Sam Rutherford/Gizmodo

Agora, algumas pessoas podem ficar incomodadas com o tempo de meio segundo que leva para a câmera do Find X sair do seu esconderijo. Mas devo admitir que sorrio quando ouço o barulho interno do pequeno motor, que parece um case de CD de desktop, e tenho o prazer de ver o telefone se transformar com um comando toda vez que aciono a câmera. Às vezes, são as pequenas coisas que fazem você feliz.

Infelizmente, mesmo com recursos robustos de hardware — bateria de autonomia de 12 horas e especificações que incluem um processador Snapdragon 845, memória de 8 GB de RAM (haverá ainda uma versão de 10 GB de RAM) e 128 GB de armazenamento —, o Find X ainda tem várias falhas. Ele não é vendido oficialmente no Brasil nem nos EUA, então dependendo onde você comprar um, ele não terá pré-instalado o Google Play, por exemplo. Isso significa que o usuário deverá baixar programas no formato APK e instalar na mão.

Especificações do Oppo Find X
Sistema: Color OS rodando Android 8.1
Qualcomm Snapdragon 845
8 GB de RAM/128 GB de armazenamento
Tela de 6,42 polegadas Amoled 2.340 x 1.080
Câmera selfie retrátil de 25 megapixels
Dois sensores traseiros: 16 megapixels e 20 megapixels com zoom de 2x
USB-C
Wi-Fi 802.11 a/b/g/n/ac
Bluetooth 5.0
Bateria de 3.730 mAh
Peso: 185 gramas
Compatível apenas com redes GSM.

O sistema Oppo Color está atrasado, pois é baseado no Android 8.1 em vez do Android 9. Mas a parte mais frustrante é que o telefone vem com uma pasta cheia de bloatwares, e por padrão, suas notificações não estão configuradas para mostrar nada de útil. Então, você precisa customizar suas preferências para cada um dos apps. Além disso, por US$ 925, você vai ter de lidar com um importador e ainda uma série de faltas no aparelho, como a de um carregador sem fio, slot microSD e qualquer tipo de resistência à água.

Lembra o que eu disse anteriormente sobre a dificuldade de usar o telefone em ambientes claros? Bem, os problemas do Find X são mais graves, mesmo para pessoas moderadamente aventureiras. Não só várias pessoas demonstraram que o chassis do Find X é mais propenso a entortar que um aparelho convencional, como também não é um aparelho lá muito inteligente, pois, se você tentar desbloquear enquanto estiver no seu bolso, a câmera motorizada vai levar certo tempo para escanear seu rosto.

Nada de entrada convencional de fone de ouvido. Crédito: Sam Rutherford/Gizmodo

Quando a câmera estiver aberta, você pode chacoalhar um pouco o telefone e você ouvir a lente se recolher. E, mesmo nos casos em que o Find X funciona corretamente, eu duvido que eles possam garantir a proteção no caso de o telefone cair com o sensor exposto. Todas essas coisas não são um bom presságio sobre a durabilidade do aparelho, então espero que eles possam melhorar o produto futuramente.

A qualidade de imagens das câmeras do Find X é ok. O telefone não teve nenhum problema em reconhecer meu rosto durante o desbloqueio. No entanto, apesar de oferecer um sensor frontal de 25 megapixels e dois sensores (16 megapixels e 20 megapixels) na traseira, a qualidade, de modo geral, é inferior a outros aparelhos de mesma faixa de preço.

Em comparação com o Galaxy Note 9 e o S9+, o Find X sempre ficou para trás. E embora eu não tenha definido as imagens do Find X como decepcionantes, o fato é que faltam a elas a nitidez e a saturação das fotos feitas por seus competidores.

O Find X não lida bem com áreas com cores mais brilhantes nessa comparação com o Note 9. Crédito: Sam Rutherford/Gizmodo

Comparada com a foto do Note 9, a do Find X deixa a desejar em vários detalhes. Crédito:Sam Rutherford/Gizmodo

As cores no Find X parecem menos definidas e turvas comparadas com o Galaxy S9+. Crédito:Sam Rutherford/Gizmodo

Mas mesmo com tudo isso, quero deixar claro: mesmo com todas as falhas, o Find X é um aparelho cativante. A Oppo poderia ter seguido a tendência e feito um aparelho mais prático e barato, mas não. Em vez disso, ela quis ousar em um ano em que a briga de dispositivos era para ver o que tinha menos notch ou mais espaço de tela. E, mesmo ao considerar que a Samsung em algum momento lance um smartphone com tela dobrável no fim do ano, é indiscutível que o Oppo Find X é um dos aparelhos mais importantes lançados em 2018.

Se o Find X convencional não for o suficiente, existe uma versão Porsche do aparelho (à dir.). Crédito: Sam Rutherford/Gizmodo

Direito ao ponto

• A menos que algo surpresa ocorra, o Find X já é o aparelhs mais bonito lançado neste ano.
• Ver a câmera motorizada sendo acionada é sempre bacana, mas o design torna o sensor menos resistente que aparelhos topo de linha.
• Para um smartphone caro, há várias falhas no Find X, que não suporta carregamento sem fio, não é resistente à água, não tem slot para cartão microSD e, além de tudo, não tem a entrada convencional de fone de ouvido.
• Leva um tempo para você se acostumar com o sistema Oppo Color OS e ele vem com um monte de bloatware. E, dependendo de onde você comprar o telefone, pode ser que você tenha que instalar a Google Play Store.
• O Find X não é vendido oficialmente no Brasil nem nos EUA. Então, você terá de importar. Se ocorrer algo é por sua conta e risco. Além disso, ele só funciona em redes GSM.