O mercado de smartwatches ainda não explodiu por aqui, mas as marcas estão por aí lançando aparelhos para o público que que curte os relógios inteligentes. A Samsung, que disponibiliza aparelhos por aqui desde 2013, trouxe no fim de 2018 o Galaxy Watch, lançado junto com o Galaxy Note 9.

Passamos as últimas semanas com o Galaxy Watch que, inclusive, deve ficar mais barato em breve com a chegada do recém-lançado Galaxy Watch Active. Antes de dar os detalhes, já lhe aviso que ele tem um visual mais sóbrio, apesar de ser esportivo, e ele traz boa parte dos recursos disponíveis em relógios anteriores.

Mexendo

De cara, o visual mais sóbrio do Galaxy Watch chama a atenção. Quando a tela estava acesa, várias pessoas perguntavam para mim qual relógio era aquele, pois nunca tinham visto. Essa pinta de relógio mais convencional ocorre pelo fato de a caixa ser de metal. Sem contar que ele conta com bisel ou catraca (aquela região em volta do relógio) móvel, o que é uma boa adição para navegar entre os menus. Para completar o kit que faz o smartwatch parecer um relógio convencional, em volta dele há os múltiplos dos minutos para facilitar a leitura.

Galaxy Watch desligadoMostrador fica logo abaixo da catraca, que permite navegar pelas telas do Galaxy Watch. Crédito: Alessandro Feitosa Jr/Gizmodo Brasil

Ah, ele ainda tem ainda um detalhe que talvez ajude a enganar seu priminho de que este é um relógio tradicional: quando ele está no pulso e você o aproxima do ouvido, ele faz o tique toque de um relógio.

Galaxy Watch no braçoApesar de ser a edição de 46 mm, ele não ficou muito grande em meu pulso. Crédito: Alessandro Feitosa Jr./Gizmodo Brasil

A unidade que eu testei foi a de 46 mm com LTE (mais para baixo, explico por que não ativei a função). Ele tem uma tela de 1,3 polegada Super Amoled Gorila Glass DX+. Como os modelos anteriores da marca, ele é à prova d’água até 50 metros de profundidade. Então dá para você nadar tranquilamente com ele.

Para quem é?

Detalhes à parte, este é um relógio para quem quer fazer exercício físico, mas não abre mão de ter um visual que lembra o de um dispositivo convencional. Dentre as adições nesse aparelho comparado com o Gear Sport está o monitoramento de 40 tipos de exercícios, incluindo atividades internas, como fazer agachamentos ou polichinelo.

Funções de exercício físico do Galaxy WatchAlguns dos modos de exercício do Galaxy Watch. Crédito: Alessandro Feitosa Jr./Gizmodo Brasil

No meu caso, o que mais rolava era o relógio detectar automaticamente uma caminhada. Após um tempo andando, ele exibia uma notificação falando sobre o ritmo das passadas.

Em alguns casos esquisitos, quando eu lavava louça ou tomava banho, ele também exibia este tipo de notificação — lógico, segundo a OMS, a definição de atividade física é qualquer movimento produzido pelo corpo que resulte num gasto de energia acima do nível de repouso, porém ainda não temos ainda nenhum caso de alguém que emagreceu de tanto lavar louça (se tiver, por favor, envie pra gente). A título de curiosidade, esta atividade ajuda a gastar até 120 calorias por hora.

Importante salientar que quando o relógio detecta sua atividade automaticamente, ele não dá muitos detalhes de localização. Para ter informações exatas, você precisa navegar pelos menus do Galaxy Watch e escolher, por exemplo, caminhada ou corrida.

Galaxy Watch abertoCrédito: Guilherme Tagiaroli/Gizmodo Brasil

Se o seu objetivo é ser menos sedentário, o relógio vem com recursos para isso. Dependendo do mostrador, ele deixa bem claro o quanto você está perto ou longe de cumprir sua meta de passos por dia. O Galaxy Watch também costuma avisar se você está parado por muito tempo e configurar lembretes para tomar água ou respirar fundo.

Um dos problemas com smartwatches é justamente a duração de bateria. Esses aparelhos são compactos e cada vez mais ganham novos tipos de conexão. A unidade testada tinha suporte a LTE (algo que eu não quis ativar, pois não vi necessidade), então ele tem quase o dobro da bateria da versão apenas Bluetooth. O Galaxy Watch de 42 mm tem bateria de 270 mAh, enquanto o de 46 mm com LTE tem 472 mAh.

Comigo, ele chegava até o início do terceiro dia (ligando o modo de economia de energia). Sem usar o modo econômico, dava dois dias incompletos (um pouco antes de dormir eu carregava um pouco para monitorar o sono e garantir que acordaria). Nesses dois casos, eu o utilizava mais para funções básicas (consultar horas, checar notificações, temperatura e, eventualmente, usando algum tipo de resposta pronta para algum contato do WhatsApp) e detectar atividades físicas (tanto caminhadas como sono).

Apenas lembrando que apesar de suportar LTE, eu o utilizei apenas conectado ao Bluetooth ou eventualmente no Wi-Fi. Acho que se tivesse conectado à rede LTE, as coisas teriam sido bem diferentes no que diz respeito à bateria. A Samsung diz que a autonomia da versão de 46 mm que eu testei é de 80 horas de uso típico ou 168 horas de uso baixo.

O smartwatch da Samsung continua sendo um dos poucos a oferecer suporte ao Spotify. No último relógio que testei da Samsung, apesar da demora, consegui configurar.

App do Spotify no Galaxy WatchDá para baixar playlists no relógio, mas pode dar algum trabalho. Crédito: Alessandro Feitosa Jr/Gizmodo Brasil

Neste também consegui, mas a experiência ainda não é das amigáveis possíveis. Você precisa conectar o relógio no Wi-Fi, se logar no Spotify (digitando login e senha num teclado minúsculo). Certo dia quis sair para caminhar ouvindo uma playlist que eu tinha baixado no Galaxy Watch. O fato é que tive que continuar a caminhada sem música mesmo, pois apesar de o fone Bluetooth estar conectado, a música não tocava nem ferrando. Pelo que consegui apurar, parece que o app não tinha baixado a coleção, apesar de o app indicar que estava disponível offline. Em um outro momento, apaguei a playlist e voltei a baixar. Aí deu tudo certo.

E aí, vale?

A categoria de smartwatches ainda não deslanchou localmente. Por ora, apenas entusiastas e/ou pessoas que praticam exercício têm aderido a essa categoria. O Galaxy Watch é uma baita dispositivo para quem se enquadra nos perfis que eu comentei anteriormente. E, como já disse lá no início, ele deve ficar mais barato com a chegada do Galaxy Watch Active.

Pessoalmente, ainda prefiro as pulseiras (a própria Samsung tem algumas opções) por serem mais discretas e ajudarem na detecção de atividades físicas, mostrar horas e detectar sono. De qualquer jeito, a Samsung tem crescido consideravelmente no mundo de smartwatches, inclusive fora do Brasil, onde a Apple domina alguns mercados. Na minha cabeça, a categoria só vai se tornar mais atrativa quando os aparelhos forem mais baratos e tiverem funções mais atrativas, que não sejam apenas relacionadas a atividade física.

Especificações
Galaxy Watch 46mm Silver
Tela: 1,3 polegada (33mm) Super Amoled (360×360)
Dimensões: 46 x 49 x 13 / 63 gramas (sem pulseira)
Bateria: 472 mAh
Processador: Dual Core 1,15 GHz
Sistema operacional: Tizen OS 4.0
Memória: 1,5 GB de RAM e 4 GB de armazenamento
Conectividade: 4G LTE, Bluetooth 4.2, Wi-Fi B/G/N, NFC, A-GPS/Glonass
Sensores: acelerômetro, giroscópio, barômetro, de luz ambiente e monitor de frequência cardíaca.
Compatibilidade: Smartphones Android 5.0 ou superior e iPhone 5 ou superior com iOS 9 ou superior.
Preço: R$ 2.199 (mas você acha no varejo por preços que variam entre R$ 1.439 e R$ 1.900)