Uma instalação de arte que impressionou os visitantes da Bienal de Veneza de 2019 voltou a circular na internet. A obra em questão consiste em um enorme braço robótico, feita para coletar tinta vermelha (parecida com sangue). Seus movimentos continuam para sempre, como se o robô jamais fosse conseguir cumprir a tarefa perpétua para a qual foi programado.

A obra robótica é uma criação dos artistas chineses Sun Yuan e Peng Yu, e ganhou o nome de “Can’t Help Myself”. Encomendado em 2016 para o museu Guggenheim, em Nova York, o braço robótico tinha apenas uma tarefa: impedir que um líquido semelhante a sangue escorresse pelos arredores.

Equipado com sensores visuais, o robô foi programado para quando o líquido tivesse ido longe demais e, usando um dos seus 32 movimentos pré-programados, varresse o fluido viscoso de volta ao lugar.

Quando “Can’t Help Myself” apareceu na Bienal de Veneza de 2019, no entanto, as coisas pareciam diferentes. Com o tempo, o braço do robô diminuiu a velocidade, como se estivesse cansado da eterna tarefa para a qual foi programado. 

E foi assim que a obra encontrou nova vida num lugar mais inesperado: o TikTok. 

Boa parte das postagens focam em contar a história da obra de arte — e seu simbolismo — com uma trilha sonora triste de fundo. Tem para todos os gostos, de músicas emo a Radiohead. 

@yolkfather

I’m happy this art piece is getting attention again, it’s really heartbreaking #greenscreen #canthelpmyself #funfacts #eerie #creepy

♬ Lights Are On – Tom Rosenthal

Outra usuária do TikTok  compartilhou um vídeo comparando os passos felizes de dança do robô de 2016, com os movimentos decadentes e sem vida de 2021. Cinco anos depois, a impressão era de que o robô parecia enfastiado de fazer uma tarefa repetitiva e chata.

@2k.kxoll

I think this is my favorite piece of art… #greenscreenvideo #canthelpmyself #deppresiøn #sad #art

♬ Exit Music (For A Film) – Radiohead

Uma postagem no Facebook que se tornou viral destaca o depoimento de um dos visitantes. “Nenhuma obra de arte me afetou emocionalmente como este pedaço de braço robótico. Ele está programado para tentar conter o fluido hidráulico que está constantemente vazando – e requer — para continuar funcionando… se vazar, você vai morrer, então você está tentando desesperadamente retirá-lo”.  

A maioria das pessoas acha que o robô acabou morrendo depois que se tornou incapaz de se mover devido ao vazamento excessivo de fluido corporal. Na realidade, o braço mecânico foi simplesmente desligado para ser exibido em outra exposição. A vida, afinal, costuma ser menos romântica do que a gente gostaria, né?