A centenária fabricante de relógios de luxo Tag Heuer deixou um pouco de lado a tradição e lançou no fim de 2015 o seu primeiro smartwatch, o Connected. Segundo a empresa, as 100 mil unidades produzidas do relógio — que custa US$ 1.500 nos EUA — se esgotaram.

Após quase um ano de espera (posso imaginar você, caro leitor, guardando seu dinheiro) e com um novo lote mundial de 200 mil unidades, o relógio finalmente desembarca no Brasil, porém com poucas unidades e à venda apenas em duas boutiques em São Paulo. Para ter um desses por aqui, você paga R$ 7.200.

[Review] Tag Heuer Connected: um smartwatch bom (e caro) com Android Wear
Google adia Android Wear 2.0 para 2017

Em nosso review, o Tag Connected se saiu bem, mas não brilhou. Ele executava bem as tarefas graças ao processador Intel, contava com uma boa qualidade de construção (que talvez não valha tanto dinheiro assim), e não têm alguns recursos clássicos de alguns aparelhos, como sensor cardíaco e GPS. Em contraposição, ele funciona nas conexões Bluetooth e Wi-Fi. Caso você tenha deixado seu smartphone em seu escritório e esteja em um local onde já se conectou à rede Wi-Fi, o relógio continuará recebendo notificações.

Especificações – TAG Heuer Connected

Sistema operacional: Android Wear (compatível com Android 4.3+ e iOS 8.2+)
Processador: Intel Atom Z34XX (1,6 GHz)
Tela: LCD transflexiva de 46 mm com cristal de safira, 360×360 pixels, 248 ppi
RAM: 1 GB
Armazenamento: 4 GB
Bateria: 410 mAh, 30 horas de autonomia em média, sem carregamento wireless
Espessura: 12,8 mm
Peso: 52 g
Sensores: giroscópio, detector de inclinação, microfone, motor de vibração
Wi-Fi: Sim
Impermeável: não, mas resistente IP67 à água
Extras notáveis: após dois anos de garantia, você pode adquirir um novo relógio mecânico pelo mesmo preço de compra, mas com valores corrigidos.

Por que um smartwatch?

A pergunta pode soar um pouco besta, mas por que uma empresa centenária, que atua no mercado de luxo, entraria nessa? A empresa usa a sigla que dá nome a ela para responder: Techniques d’Avant Garde (técnicas de vanguarda).

“Para a gente foi um desafio, pois há dez anos ninguém pensava que haveria essa categoria de relógios inteligentes”, disse Christian Weissbach, presidente da Tag Heuer para o Caribe e a América Latina, em conversa com o Gizmodo Brasil, durante o lançamento do aparelho em São Paulo.

No entanto, baseada em anos de experiência, a companhia quis fazer um smartwatch com pinta de relógio mesmo, e não um comunicador dos Power Rangers. “Como você pode ver, isto aqui não é apenas um relógio com uma tela de celular pequena”, brincou o executivo.

Baseado no modelo Carrera da marca, o Tag Heuer Connected é um aparelho com apoiadores (parte frontal onde geralmente há interação) e fecho de titânio, o que confere leveza e resistência. Juntando o corpo e pulseira, o aparelho não passa de 100 gramas. Diferente de outros produtos da marca, que são “trambolhões”, o Connected pode parecer “barato” para os desavisados.

A única parte de plástico é a que fica abaixo da tela, pois é onde ficam os contatos para carregar a bateria dele. O display de 46 mm de diâmetro é completamente redondo (diferente da tela “pneu furado” do Moto 360) e motivo de orgulho para empresa. “Conseguimos fazer desse jeito, pois fazemos isso há anos”, explicou o executivo da companhia.

O Tag Heuer Connected ainda conta como diferencial as faces de cronógrafo para o relógio. Os medidores podem ser personalizados pelo usuário para mostrar, por exemplo, dados do Google Fit ou mesmo para acionar um cronômetro.

Neste ramo de relógios caros, é comum que o relógio seja quase uma “herança”, algo que passa de pai para filho. Com isso em mente, a Tag Heuer inventou uma condição bem doida. Após dois anos, caso o dono ache que o aparelho ficou obsoleto, ele pode pegar uma edição exclusiva de um relógio mecânico pagando o mesmo preço do Connected com valores corrigidos (pode ser R$ 7.200, como também pode ser mais — tudo depende da economia do país).

A outra realidade do mercado de luxo

tagheuer2

Carrera Tag Heuer 02 custa R$ 79.600 

Quando falamos de eletrônicos, sempre há quem reclame de valores. O interessante de ir em um evento de uma marca do setor de luxo é que os preços altíssimos são ditos com tanta naturalidade que parecem até viáveis para a maioria da população.

O Tag Heuer Connected era praticamente o patinho feio. Não pelo visual, pois o design clássico dele é lindo. Porém, junto a ele, a fabricante anunciou outros dois modelos de grande apelo para aficionados endinheirados.

O Carrera Tag Heuer 02 é  um relógio mecânicos com “turbilhão”, um mecanismo que os torna superprecisos (ele é capaz de contrabalancear perturbações do movimento do relógio por causa da gravidade da Terra). Ele tem preço sugerido de R$ 79.600. O outro é o Carrera Tag Heuer 01, que não tem turbilhão, mas faz parte da nova geração de modelos de titânio da marca. Ele tem preço sugerido de R$ 26.500. Ah, e ambos os dois podem ser parcelados, caso você se interesse.