Elop está viajando pelos países da América Latina nos últimos dias. Por aqui, ele anunciou a família de celulares-que-querem-ser-inteligentes Asha. Nós já falamos um bocado deles por aqui quando anunciados no Nokia World, mas para você que não lembra, trata-se de uma série de aparelho rodando S40 e com alguns apps espertos, como WhatsApp, eBuddy e Facebook Messenger. O modelo 303, mais completo, com processador de 1GHz, custará R$459. Já o 200 e o 201 custarão R$349 e R$249, respectivamente. Os aparelhos chegam ao mercado em janeiro.

Provavelmente você deve estar pensando o seguinte: Elop veio ao Brasil anunciar a família Asha? Mas e os Windows Phone, diabos? Primeiro, vale lembrar que há muito espaço para celulares de baixo custo e com habilidades de smartphones que não custam o olho da cara — e a Nokia ainda tem bastante moral nesse mundo. Se os smartphones não representam nem 10% do mercado brasileiro, faz sentido a investida nas camadas inferiores.

O que não deixa de ser frustrante. Porque nós também queremos que os principais aparelhos, aqueles sonhos de consumo, estejam nas lojas, ao lado dos modelos mais básicos. E claro que Elop e Almir Luiz Narcizo, presidente da Nokia no país, não puderam escapar dos questionamentos sobre a série Lumia. Na verdade, eles falaram um bocado dela.

Já sabemos, por exemplo, que o Lumia 710, o modelo mais básico e que acreditamos que será bem barato, será fabricado em Manaus. Sabemos também que ele chega até o fim do primeiro semestre trimestre– mas isso não é novidade, e continuamos acreditando nas primeiras semanas de fevereiro. E também descobrimos que o Lumia 800 provavelmente só chega no segundo trimestre, e importado. (Na verdade, segundo a Nokia, ele também chega no fim do primeiro tri). Os dois aparelhos estavam no evento, e nós gostamos muito do que vimos — mas recomendamos os bons e ilustrados hands-on do ZTOP para o Lumia 710 e o Lumia 800.

Na hora das perguntas, Elop foi colocado na parede com uma metralhadora de dúvidas. Questionado se um aparelho concorrente lançado um mês depois não poderia diminuir o impacto — e se isso não seria o mesmo que correr atrás do próprio rabo — Elop disse que “os outros devem correr atrás do rabo da Nokia”.

E quando o chapa Henrique perguntou se a “plataforma continuava queimando” (alusão ao memorando que Elop mandou para os funcionário em fevereiro), o CEO deu uma breve aula sobre Lasse Virén, um esportista símbolo da Finlândia que caiu durante uma corrida, levantou e a venceu, batendo recorde mundial e tudo. Para ele, é esse o caminho que a Nokia está fazendo hoje. Tudo muito bonito, mas no fim das contas, teremos que esperar bastante para ver os verdadeiros smartphones da Nokia por aqui.