O número de exoplanetas que podem abrigar vida extraterrestre cresce a cada ano. Mas agora, astrônomos acreditam que podemos riscar da lista um dos símbolos mais amados pela ficção científica: Tau Ceti.

A estrela Tau Ceti está relativamente próxima, a 12 anos-luz de distância, e possui um conjunto de planetas semelhante ao sistema solar. Ela vem sendo considerada um dos primeiros locais onde poderíamos descobrir vida extraterrestre.

Tau Ceti se tornou ainda mais intrigante em 2012, quando pesquisadores encontraram evidências de cinco planetas em órbita, dois dos quais – Tau Ceti E e F – estariam na zona habitável da estrela. Trata-se da região não muito quente nem muito fria do espaço que poderia abrigar água líquida, e a vida como a conhecemos.

Mas, nesta semana, um novo estudo conduzido por pesquisadores da Universidade Estadual do Arizona (EUA) parece acabar com nossas esperanças em Tau Ceti.

Através da composição química da estrela, os astrônomos modelaram a evolução dela ao longo do tempo. Os dados confirmam que os planetas E e F podem de fato residir na zona habitável da estrela; mas, por diversas razões, as chances de terem vida são escassas.

Tau Ceti
Representação artística dos planetas Tau Ceti E e F (Planetary Habitability Laboratory @ UPR Arecibo)

De acordo com o autor do estudo, Michael Pagano:

O planeta E está na zona habitável somente se fizermos pressupostos muito generosos. O planeta F inicialmente parece mais promissor, mas pela evolução da estrela, é provável que ele só se mudou para a zona habitável recentemente, à medida que Tau Ceti ficou mais brilhante ao longo de sua vida.

Segundo os cálculos dos autores, o planeta F provavelmente esteve na zona habitável por menos de um bilhão de anos. Usando a evolução da biosfera na Terra como um modelo, este planeta tem pelo menos mais outro bilhão de anos antes até que possamos detectar traços da vida microbiana.

E isso assume que a vida poderia evoluir nesta pedra alienígena, uma questão que está longe de ser resolvida. De acordo com a nova análise, a composição química de Tau Ceti é muito diferente do nosso Sol.

A estrela contém uma quantidade maior de magnésio em relação ao silício: isso significa que os planetas rochosos deste sistema teriam mantos dominados por ferropericlase, um mineral rico em ferro e magnésio que é bastante denso e que não flui com facilidade.

Grandes quantidades desse mineral poderiam reduzir a atividade tectônica e vulcânica no planeta, dois processos que foram absolutamente fundamentais para a evolução da vida na Terra.

É uma pena que Tau Ceti, tão próxima, provavelmente não seja uma boa candidata para a vida alienígena. Ainda assim, há outros sistemas que poderiam conter a próxima Terra. Na verdade, o Catálogo dos Exoplanetas Habitáveis reúne outros 29 candidatos! Eles estão na imagem abaixo, organizados por distância (ly = anos-luz). [arXiv]

Planetas potencialmente habitaveis abr15

Imagem inicial: conceito artístico do sistema Tau Ceti, via NASA