O Telegram, aplicativo de mensagens criptografadas e antigo paraíso dos traficantes de drogas, está com planos de monetização para 2021, disse o fundador Pavel Durov na quarta-feira (23).

O anúncio ocorre em um momento em que o aplicativo se aproxima de seu oitavo aniversário e “está prestes a atingir quase 500 milhões de usuários ativos”, de acordo com o comunicado que Durov divulgou em seu canal no Telegram. Cada novo usuário que surge, ele explicou, traz mais custos de servidor para a empresa administrar. “Um projeto do nosso tamanho precisa de pelo menos algumas centenas de milhões de dólares por ano para continuar”, disse ele.

Todas as partes atualmente gratuitas da plataforma permanecerão gratuitas, disse ele, acrescentando que no novo ano, o Telegram adicionará alguns novos recursos pagos para equipes de negócios ou “usuários avançados”. Ele não entrou em detalhes sobre esses novos recursos, mas mencionou que o Telegram teria sua própria plataforma de anúncios. (Em uma postagem separada, o Telegram anunciou que construiria uma função de bate-papo por voz semelhante ao Clubhouse – embora, novamente, este possa ou não ser um dos recursos que será monetizado.)

De acordo com a postagem, a ideia não é veicular anúncios em bate-papos privados ou em grupo especificamente, já que, nas palavras de Durov, “a comunicação entre as pessoas deve ser livre de qualquer tipo de publicidade”. Em vez disso, ele apontou para o que chamou de canais “um-para-muitos” do Telegram, que possuem seus próprios grupos de seguidores. Eles agem mais como um feed do Twitter do que uma conversa por SMS e, como o Twitter, serão tratados como um local de veiculação de anúncios.

Até agora, a plataforma foi em grande parte sustentada pelas próprias economias pessoais de Durov. Em 2018, ela conseguiu US$ 1,7 bilhão de investidores privados na esperança de desenvolver seu próprio token de blockchain que potencialmente monetizaria a plataforma. Mas depois de dois anos e uma resistência significativa da Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos (SEC), Durov anunciou em maio que encerraria o projeto e reembolsaria cerca de US$ 1,2 bilhão aos investidores envolvidos.

Quanto à aparência desses anúncios em potencial, ainda não está claro. Os sistemas de anúncios do Twitter, como observamos no passado, têm seus próprios problemas e, como a postagem de Durov aponta corretamente, ter um anúncio inesperado em seu feed pode ser algo incômodo, especialmente quando eles substituem postagens regulares como os anúncios do Twitter tendem a fazer. Então, novamente, qualquer anúncio em qualquer plataforma de mídia social é geralmente uma experiência indesejável na melhor das hipóteses, mesmo quando eles não são tão horríveis de se olhar. Além disso, considerando como as plataformas de anúncios em aplicativos tendem a ser preocupantes, você pode imaginar por que esta não seria a notícia mais bem-vinda para os usuários preocupados com a privacidade do Telegram.

Durov, por sua vez, prometeu que os sistemas iminentes de veiculação de anúncios do Telegram seriam “fáceis de usar” e respeitariam a privacidade dos usuários. Mas considerando que ouvimos essa mesma promessa de cada empresa nesse jogo de rastreamento e segmentação de anúncios, é melhor encarar essa declaração de Durov com um pouco de ceticismo.