A Tesla revelou o carro mais ágil do mundo, graças a uma bateria de 100 quilowatts-hora (kWh) que a companhia desenvolveu. O Model S P100D com o “Modo Insano” é uma versão melhorada do Model S P90D (com bateria de 90 kWh) que foi lançado em março deste ano. O novo modelo consegue chegar de 0 a 100 km/h em apenas 2,5 segundos.

• Elon Musk revela seus planos para os próximos anos: dominar a indústria automobilística
• A reação espetacular de uma avó testando pela primeira vez o piloto automático de um Tesla

O Model S P100D é praticamente idêntico aos seus antecessores: a diferença está apenas na nova bateria ligeiramente maior, que foi completamente remodelada.

“Refizemos toda a arquitetura de refrigeração,” disse o diretor técnico da Tesla, JB Straubel, durante a conferência de anúncio do veículo. “É incrível que conseguimos fazer isso sem alterar o tamanho externo e o formato da bateria.”

O CEO da Tesla, Elon Musk, disse nessa mesma conferência que a empresa está “muito perto de um limite teórico” daquilo que podem fazem com as atuais tecnologias para baterias. Ele disse que, para futuras melhorias, precisarão de uma célula de bateria mais avançada, e que já estão desenvolvendo isso em parceria com a Panasonic.

O Model S P100D com o “Modo Insano” irá custar US$ 134.500. A nova bateria de 100 kWh também estará na SUV Tesla Model X P100D, que custará US$ 135.500 (é a SUV mais ágil do mundo).

A Tesla irá oferecer uma oferta aos donos dos atuais modelos do Model S e Model X P90D, que poderão trocar para a bateria de 100 kWh por US$ 20.000. A companhia irá então reciclar as baterias de 90 kWh. Resumidamente, será possível fazer um upgrade no carro da mesma forma que você faz no seu computador.

Elon Musk afirmou que a companhia tem trabalhado duro para aumentar a oferta de veículos, já que muitos consumidores não conseguem comprá-los por falta de disponibilidade. “As pessoas não entendem como é difícil a fabricação,” disse. “Achamos que é possível fazer cerca de 200 carros por semana. Estamos trabalhando duro para aumentar esse número o mais rápido possível.”

“Nós iremos trabalhar muito a cada semana para produzir o maior número de baterias de 100 kWh,” adicionou. “Parece que não é uma mudança muito grande o aumento a partir dos 90 kWh, mas é exponencialmente mais difícil aumentar a densidade de energia.”

Foto por Mark Schiefelbein/AP