A Tesla quer que seus carros sejam totalmente autônomos até o final de 2017 e anunciou que a partir de agora todos os seus veículos elétricos virão com um hardware que permitirá que eles dirijam completamente sozinhos. A ideia é que até a data eles possuam autonomia nível 5, dispensando completamente a necessidade de um motorista.

• Elon Musk revela seus planos para os próximos anos: dominar a indústria automobilística
• Pesquisadores conseguiram hackear um Tesla a quase 20 quilômetros de distância

Segundo o anúncio feito nesta semana, o Model S, Model X e o novo Model 3 virão com o hardware necessário para a autonomia completa, mas assim como acontece com os veículos atuais da companhia, será preciso comprar a funcionalidade do piloto automático ao adquirir o veículo ou pagar para ativá-la depois.

A NHTSA (órgão federal americano de segurança no trânsito), classifica a autonomia veicular em alguns níveis, que variam de 0 a 5:

Nível 0: ausência de autonomia;
Nível 1: autonomia em uma ou mais funções específicas (cruise control, por exemplo);
Nível 2: autonomia em pelo menos duas funções primárias que agem em conjunto (cruise control com tecnologia para manter o veículo na pista, por exemplo);
Nível 3: autonomia completa na maior parte do tempo, exigindo a presença de um motorista;
Nível 4: autonomia completa na maior parte do tempo, menos em condições adversas como em chuva forte, exigindo a presença de um motorista;
Nível 5: autonomia completa, dispensando a necessidade de um motorista – basta apenas inserir o destino desejado, ou o caminho a seguir.

A novidades ainda precisarão passar por testes para entrar nos padrões de segurança da própria Tesla, além de passar pela aprovação do governo americano antes de ir para as ruas.

Segundo Elon Musk, os veículos vão se parecer com um carro normal, sem nenhum sensor ou câmera aparente. E é um sistema bem complexo, como explica o anúncio oficial da companhia:

São oito câmeras que oferecem visibilidade de 360 graus ao redor do carro num alcance de até 250 metros. 12 sensores ultra-sônicos atualizados complementam essa visibilidade, permitindo a detecção de objetos a praticamente o dobro da distância do sistema anterior. Um radar na frente com processamento aprimorado fornece dados adicionais, permitindo a visualização através da chuva forte, neblina, poeira e até mesmo do carro a frente.

Para lidar com todos esses dados, um novo computador de bordo com 40 vezes mais processamento do que a geração anterior irá rodar a nova rede neural desenvolvida pela Tesla para o processamento de software de visão, sonar e de radar.

Os carros atuais continuarão a ter o software atualizado normalmente, mas não poderão atingir a autonomia completa.

Segundo o Jalopnik, Musk disse que a Tesla irá assumir a responsabilidade por qualquer incidente que envolva uma falha em seu sistema, mas que a companhia não irá se responsabilizar cegamente por qualquer acontecimento, como outras companhias como Volvo, Mercedes e Google têm feito.

[Jalopnik]