O Google Instant, novo serviço do Google que fornece resultados de busca instantaneamente, mostra apenas uma tela em branco quando você procura por certos termos proibidos. Mas por que termos como "lésbica" e "latina" também são? Uma funcionária do Google esclarece um pouco a situação.

As palavras são escolhidas por um algoritmo de computador, e não por editores humanos, de acordo com um post de uma funcionária do Google no fórum de ajuda do Google, descoberto pelo site The Daily Beast. A funcionária "Kelly F" disse que tanto o termo em si como os resultados de busca são analisados para decidir se os resultados devem ser filtrados – e mesmo termos que estejam na lista negra podem ser pesquisados, bastando teclar Enter:

Os algoritmos que usamos para remover uma sugestão da função autocompletar consideram vários fatores. Entre outras coisas, nós excluímos sugestões para buscas quando o termo pesquisado parece ser pornográfico, violento ou de ódio… E também importante, nós também consideramos os próprios resultados da busca para os termos. Então se os resultados para uma pesquisa em particular parecerem pornográficos, nossos algoritmos podem remover esse termo da função autocompletar, mesmo se o termo em si não viole nossas políticas.

Isso não explica as coisas completamente: nenhum dos resultados da primeira página de resultados de "lésbica" (e nem "lesbian") são pornográficos, a menos que você tenha uma visão bastante distorcida de Xena: A Princesa Guerreira. E, como aponta o site CarnalNation, a palavra "dyke" – gíria para lésbica, tida como ofensiva – é permitida pelo filtro. Apesar de ser usada por lésbicas e ter ganhado um pouco de conotação positiva, o termo se aproxima do padrão de palavras "de ódio" que o Google quer remover, em vez de "lésbica", palavra mais neutra.

Sim, o bloqueio do Google pode ser evitado apenas teclando Enter. Mas se o Google quer deixar os usuários viciados no Google Instant – que logo deve chegar à página brasileira do Google – eles têm que deixar a interface menos esquizofrênica e homofóbica e mais racional. [Google Help Forum via The Daily Beast]

[Imagem: James Blinn/Shutterstock]