O YouTube anunciou nesta terça-feira (26) algumas novidades que prometem beneficiar principalmente os criadores de conteúdo — no geral, mais dinheiro para esses usuários. Segundo a plataforma, as mudanças se dão porque a companhia entende que, devido à pandemia de COVID-19, mais pessoas estão em casa e fazendo dessa atividade uma fonte de renda.

“A receita do YouTube está saudável e forte, apesar dos desafios de 2020. O número de novos canais que ingressaram no nosso Programa de Parcerias do YouTube (YPP) no ano passado mais do que duplicou em relação ao ano anterior. Os criadores de conteúdo estão criando empresas de mídia de última geração que impactam o sucesso geral da nossa receita”, destacou Susan Wojcicki, CEO do YouTube, em comunicado oficial.

Começando agora em 2021, o YouTube promete ser mais transparente nas políticas do serviço. Embora não tenha especificado como isso vai funcionar, o caminho mais lógico é acreditar que a plataforma agora assumirá um papel maior de responsabilidade sobre o que pode ou não ser publicado no site. Além disso, visa proteger os criadores contra abuso e usuários de má fé, e oferecer melhorias no processo de contestação.

Outra promessa do YouTube é fornecer fontes adicionais de receita aos criadores de conteúdo. Mas de novo: sem falar como isso deve acontecer exatamente. É provável que recursos como Super Chat, Super Sticker e Clube de Canais ajudem no aumento de arrecadação. Inclusive, o uso essas funções, segundo o YouTube, triplicou em 2020.

O YouTube ainda reforçou seu compromisso em “remover o conteúdo que os especialistas dizem que pode levar a danos no mundo real”, em referência à invasão ao Capitólio, o Congresso dos EUA, causada após o ex-presidente Donald Trump incitar seus seguidores no Twitter a cometerem o ato. Seguindo esse mesmo raciocínio, o serviço diz que vai destacar vozes do movimento #YouTubeBlack, que destaca criadores negros e suas histórias através do YouTube.

A plataforma também atualizou suas políticas para remover desinformações médicas danosas sobre a COVID-19, ao mesmo tempo que promove conteúdos verdadeiros e pertinentes sobre a vacinação. “Queremos ajudar as pessoas a compreenderem a importância das vacinas conectando-as a informações rápidas e, assim, promovendo a tomada de decisões bem informadas. Também queremos ajudar a comunidade científica a interagir com o público sobre essa questão importante”, disse Wojcicki.

Por fim, o YouTube afirma que vai incentivar os usuários a criarem mais conteúdos para celular usando o YouTube Shorts, recurso concorrente ao TikTok e ao Reels do Instagram. Segundo a companhia, vídeos colocados nessa funcionalidade recebem 3,5 bilhões de visualizações diariamente, e a ideia é fazer que esse número continue subindo.

[YouTube]