A Amazon está aos poucos mostrando suas garras no Brasil: depois de anos vendendo apenas livros, passou a utilizar o sistema de marketplace e reunir as ofertas de milhares de vendedores – desde outubro já podemos encontrar eletrônicos, jogos, papelaria, entre outros. Nos próximos meses a companhia pode passar a vender eletrônicos diretamente, de acordo com uma reportagem da Reuters.

• Amazon começa a vender eletrônicos no Brasil: e agora?
• Kindle Oasis resistente à água chega ao Brasil por R$ 1.149

Na prática, isso significa que a Amazon deixaria de ser uma intermediária entre o cliente e o vendedor e passaria a oferecer suas próprias ofertas – em conjunto com os produtos oferecidos por outros lojistas. Assim, a versão brasileira da Amazon passaria a ser muito mais parecida com o modelo adotado nos Estados Unidos.

Para se ter uma ideia, a presença direta da companhia no exterior foi suficiente para abocanhar a disputa do varejo e levantar discussões de concorrência desleal. A empresa costuma oferecer preços muito competitivos, geralmente por conseguir um grande volume de vendas. Diferenciais como agilidade na entrega e bom atendimento ao consumidor também atraem os clientes.

A Reuters cita fontes anônimas que revelaram reuniões entre representantes da Amazon, incluindo a executiva sênior Ticiana Mártyres, e potenciais fornecedores. O encontro teria acontecido no Hotel Blue Tree Morumbi, na semana passada. A intenção da empresa é utilizar call centers e sistema de transporte próprios.

No mês passado, a Reuters já havia noticiado que a companhia estava procurando um grande armazém na região metropolitana de São Paulo. De acordo com as fontes da agência, o local seria utilizado como estoque.

Entramos em contato com a Amazon e atualizaremos a publicação quando obtivermos alguma resposta.

Atualização às 11h11: A Amazon enviou um comunicado ao Gizmodo Brasil afirmando que “nos últimos 5 anos desde o lançamento da Amazon.com.br, realizamos centenas de reuniões com potenciais vendedores e fornecedores sobre seus negócios no Brasil e possíveis planos futuros. Este é outro desses eventos. Não especulamos sobre planos futuros.”

[Reuters]