Você sabe que a Nokia continua bastante dedicada ao ramo de celulares simples, tentando aproximá-los de smartphones. No Asha 501, temos um sistema esperto inspirado no finado MeeGo. E no novo Nokia 515, temos um corpo inspirado no high-end a um preço baixo.

O corpo é feito de alumínio jateado com acabamento fosco. A tela, por sua vez, é reforçada com Gorilla Glass 2. E qual dumbphone tem uma câmera de 5 megapixels com flash LED e vários modos de câmera?

O Nokia 515 permite tirar fotos panorâmicas; autorretratos com auxílio de voz, que instrui você a centralizar a câmera; e fotos sequenciais – até cinco de uma vez – das quais você pode guardar a melhor.

Ele tem suporte a 3G e serve como hotspot quando conectado via USB; sua bateria dura até 33 dias em standby. O aparelho também possui suporte a HD Voice, tecnologia que dá mais clareza à voz nas ligações. Não se trata de microfones adicionais, e sim de transmitir a voz em uma frequência diferente. A tecnologia é suportada por diversas operadoras ao redor do mundo, mas não no Brasil.

Este celular pode ser útil naquelas situações em que é melhor deixar o smartphone em casa – para evitar perdê-lo, por exemplo. A Nokia até embutiu nele o app Transfer, que sincroniza contatos de dispositivos com Windows Phone 8 ou Android. E ele usa chip micro-SIM, então você não precisará de adaptadores.

Mas não se engane: este ainda é um dumbphone. Apesar de possuir suporte a 3G, ele não tem Wi-Fi. Sua tela de 2,4” possui resolução 320 x 240; seu teclado é alfanumérico; e ele roda S40, em vez do sistema esperto presente no Asha 501. Ele tem 11 mm de espessura e pesa 101 g.

O Nokia 515 será lançado mundialmente a partir de setembro, em versões com um ou dois chips, custando a partir de US$ 149. Mas, infelizmente, ele não será lançado no Brasil: a assessoria da Nokia diz ao Gizmodo Brasil que ele “não tem o perfil do mercado”. Pena. [Nokia]

Atualizado em 29/08