O Facebook anunciou, nesta terça-feira (19), que fará uma leitura todas as fotos enviadas para a rede social e que irá procurar o seu rosto, a menos que você desative a nova função – ou a menos que você seja europeu ou canadense, locais onde a lei de privacidade limita o que o Facebook pode fazer a respeito dos rostos das pessoas. O propósito dessa leitura, de acordo com o Facebook, é te alertar quando alguém subir publicamente uma foto sua, sem que você tenha autorizado. E especialmente para aqueles casos nos quais alguém quer se passar por você.

Por trás dessa mensagem sobre a proteção de identidade, existe uma verdade maior a respeito das habilidades do Facebook: o anúncio significa que a tecnologia de reconhecimento facial da empresa é tão poderoso que é capaz de te reconhecer em qualquer foto, em qualquer lugar, mesmo que não tenha algum motivo para encontrar seu rosto em uma determinada imagem.

Seria fácil identificar a sua foto se o Facebook estivesse procurando apenas entre as imagens que os seus amigos subiram para a rede social. É mais difícil quando o leque de possibilidades inclui os conteúdos publicados por mais de um bilhão de pessoas, ou toda a base de usuários do site. Agora que o Facebook acha que é capaz de procurar rostos em bilhões de publicações, significa que eles acreditam que as impressões faciais (ou os moldes digitais) são realmente bons.

E isso, no final das contas, quer dizer que o Facebook tem uma ferramenta poderosa para mapear quem conhece quem dentro da rede social. Ao vasculhar em fotos de um evento, por exemplo, e identificar os rostos, a companhia pode saber todos que estavam ali e como podem estar conectados. Seria um grande avanço para a ferramenta “Pessoas que você talvez conheça“, permitindo sugestões de pessoas que apareceram no plano de fundo, por exemplo.

Esse poder de vigilância é mais do que assustador – poderia conectar você, por exemplo, a pessoas que estão se perambulando enquanto posam para uma foto na Torre Eiffel ou às pessoas no plano de fundo daquela selfie que tirada um bar. Dado esse aspecto assustador em potencial e o nosso interesse de longa data em como a ferramenta “Pessoas que você talvez conheça” realmente funciona, um porta-voz do Facebook preventivamente nos enviou uma nota sobre a funcionalidade de reconhecimento facial.

“Queria alertá-los sobre um anúncio que fizemos nesta manhã. Posso confirmar também que não fazemos uso desta tecnologia na ferramenta Pessoas que você talvez conheça”.

Se isso mudar, tenho certeza que o Facebook nos avisará…

Esta matéria foi produzida pelo Special Projects Desk do Gizmodo Media Group.

Imagem do topo: Getty