Uma história publicada no New York Times nesta semana era inquietante: a New America Foundation, uma think tank de peso, estava se livrando de uma de suas equipes de estudiosos, o grupo Open Markets. A New America havia alertado o líder do grupo, Barry Lynn, de que ele estava “colocando a instituição em perigo”, segundo noticia o NYT, por criticar repetidamente o Google, um importante financiador da think tank, dada a dominância de mercado da gigante de buscas.

• As assistentes digitais Alexa e Cortana são novas melhores amigas
• Google planeja levar a realidade aumentada para milhões de smartphones Android

As críticas ao Google haviam culminado na publicação de um comunicado por Lynn, no site da New America Foundation, “aplaudindo” a decisão da Comissão Europeia de impôr uma multa recorde de US$ 2,7 bilhões à empresa por privilegiar seu serviço de comparação de preços em detrimento de outros nos resultados de buscas. O post foi brevemente tirado do ar e então publicado novamente. Pouco tempo depois, Anne-Marie Slaughter, chefe da New America, disse a Lynn que seu grupo tinha que deixar a fundação por não obedecer “normas institucionais de transparência e colegialidade“.

O Google negou qualquer envolvimento na demissão de Lynn, e Slaughter tweetou que “os fatos são, em sua maioria, corretos, mas as aspas foram tiradas de contexto, e a interpretação está errada”. Apesar das narrativas em conflito, a premissa básica soou familiar para mim: seis anos atrás, fui pressionada a tirar do ar um texto crítico sobre as práticas de monopólio do Google depois de a empresa se aborrecer com o conteúdo. No meu caso, o texto seguiu fora do ar.

Eu trabalhava para a Forbes na época e estava apenas começando no cargo. Além de redatora e repórter, eu ajudava a comandar as redes sociais de lá, então fui chamada para uma reunião com vendedores do Google sobre a então nova rede social da companhia, o Plus.

Os vendedores do Google estavam incentivando a Forbes a adicionar os botões sociais de “+1” do Plus aos artigos no site, junto com o botão de curtir do Facebook e o de compartilhar do Reddit. Disseram que era importante fazer isso, porque as recomendações do Plus seriam um fator nos resultados das buscas, que são uma fonte crucial para o tráfego em sites editoriais.

Isso pareceu uma notícia para mim. A dominância do Google nas buscas e nas notícias lhe dá um poder tremendo em relação a veículos de mídia. Ao atrelar resultados de buscas ao uso do Plus, o Google estava usando esse poder para forçar as pessoas a promoverem sua rede social.

Perguntei ao pessoal do Google se eu havia entendido corretamente: se um veículo não colocasse o botão +1 na página, seus resultados de busca sofreriam as consequências? A resposta foi “sim”.

Depois da reunião, fui falar, como repórter, com a equipe de relações públicas do Google, dizendo-lhes que havia estado na reunião e perguntando se eu havia entendido corretamente. Eles confirmaram, embora tenham preferido dizer que o botão do Plus “influencia o ranking”. Eles não negaram o que sua equipe de vendas havia me dito: se você não colocar o botão +1, suas matérias terão maior dificuldade de ser encontradas no Google.

Com isso, publiquei uma matéria com a seguinte manchete: “Coloque os botões do Google Plus em suas páginas, ou seu tráfego a partir das buscas vai sofrer”. Incluí também pedaços da conversa que tive na reunião.

O pessoal do Google explicou como o novo sistema de recomendações será um fator na busca. “Universalmente ou apenas entre amigos no Google Plus?”, perguntei. “Universal” foi a resposta. “Então, se a Forbes não colocar botões +1 em suas páginas, ela vai sofrer nos rankings de busca?”, perguntei. O cara do Google diz que não colocaria daquela maneira, mas, basicamente, sim.

(Um grupo de marketing online copiou a matéria após ela ser publicada, e uma versão dela ainda pode ser encontrada aqui.)

O Google prontamente pirou. Isso foi em 2011, por volta da mesma época em que uma comissão antitruste do congresso estava investigando se a empresa estava abusando de seu poder.

O Google nunca questionou a exatidão da reportagem. Em vez disso, um porta-voz da empresa me disse que eu precisava retirar a história do ar porque a reunião havia sido confidencial e a informação discutida lá tinha sido alvo de um acordo de não divulgação entre o Google e a Forbes (eu não tinha assinado tal acordo, não me disseram que a reunião era confidencial, e eu havia me identificado como jornalista).

Tudo escalou rapidamente a partir dali. Meus superiores na Forbes me disseram que representantes do Google haviam ligado para eles, dizendo que o artigo era problemático e precisava ser retirado. A implicação era de que isso poderia ter consequências para a Forbes, o que era uma possibilidade preocupante, considerando quanto tráfego vinha por meio de buscas do Google e do Google News.

Eu achava que era uma história importante, mas não queria causar problemas para meu empregador. E se outros participantes da reunião tivessem de fato sido cobertos por um acordo de não divulgação, eu poderia entender por que o Google objetaria à publicação da matéria.

Considerando que eu havia entrado em contato com a equipe de RP do Google antes da publicação e que a história já estava no ar, senti que fazia mais sentido mantê-la lá. Por fim, no entanto, depois de uma pressão contínua por parte de meus chefes, retirei a matéria do ar. Uma decisão da qual sempre me arrependerei. A Forbes se negou a comentar o caso.

Mas a parte mais perturbadora da experiência foi o que veio a seguir: de alguma maneira, muito rapidamente, os resultados de buscas pararam de mostrar a história original. Conforme me lembro — e, embora tenha sido seis anos atrás, esse episódio ficou gravado na minha memória —, uma versão em cache permaneceu pouco após a publicação ter sido retirada, mas foi logo apagada dos resultados de busca do Google. Isso era incomum; sites capturados pelo crawler do Google não costumavam desaparecer tão rapidamente. E matérias retiradas do ar costumam ainda aparecer em resultados de buscas como uma manchete. Versões copiadas ainda podiam ser encontradas, mas os vestígios da minha matéria original haviam sumido. É possível que a Forbes, e não o Google, tenha sido responsável por apagar o cache, mas eu francamente duvido que qualquer pessoa na Forbes tivesse o know-how técnico para fazer isso, considerando que outros artigos deletados do site tendem a permanecer disponíveis através do Google.

Manipular deliberadamente resultados de busca para eliminar referências a uma matéria que o Google não gosta seria um tipo de abuso extraordinário, quase distópico, do poder da empresa sobre a informação na internet. Não tenho nenhuma evidência concreta para provar que foi isso que o Google fez nesse caso, mas isso é parte do motivo pelo qual esse episódio tem me assombrado há anos: a história que o Google não queria que as pessoas lessem rapidamente se tornou impossível de ser encontrada através do Google.

O Google não quis dizer se deliberadamente destruiu resultados de busca relacionados à matéria. Solicitado a comentar o caso, um porta-voz da empresa enviou um comunicado, dizendo que a Forbes removeu a história porque ela “não foi noticiada de forma responsável”, aparentemente uma referência à alegação de que a reunião estava coberta por um acordo de não divulgação. Repito, eu me identifiquei como jornalista e não assinei acordo algum antes de participar da reunião.

Pessoas que prestavam bastante atenção à indústria das buscas na época notaram o desaparecimento da matéria e escreveram sobre isso, perguntando-se por que ela havia desaparecido. Pelo menos essas matérias ainda podem ser encontradas hoje em dia.

Quanto à eficácia da estratégia, a dominância do Google em outras indústrias não garantiu o sucesso do Plus. Seis anos depois, a rede social é uma cidade fantasma, e o Google basicamente desistiu dela. Mas na época em que a empresa ainda achava que ela poderia competir com o Facebook, ela estava disposta a jogar duro para promover o site.

O Google começou como uma empresa dedicada a garantir o melhor acesso à informação possível, mas, conforme cresceu e se tornou uma das maiores e mais rentáveis companhias do mundo, suas prioridades mudaram. Mesmo lutando contra pessoas comuns que desejam que suas histórias pessoais sejam removidas da rede, a empresa tem um incentivo para suprimir informações sobre si própria.

O Google disse que nunca pediu que a New America demitisse Lynn e sua equipe. Mas uma entidade poderosa como a companhia não precisa emitir ultimatos. Ela pode só dar uma cutucada em outras organizações e fazê-las agirem como ela quiser, dada a influência que transmite.

Lynn e o resto da equipe que deixou a New America Foundation planejam criar uma nova organização sem fins lucrativos para continuar seu trabalho. Por enquanto, eles lançaram um site chamado “Cidadãos Contra o Monopólio“, que conta sua história. Ele diz que “as tentativas do Google de acabar com think tanks, jornalistas e defensores do interesse público que pesquisam e escrevem sobre os perigos do poder privado concentrado precisam acabar”.

Dá para dizer com segurança que eles não serão financiados pelo Google.

Ilustração: Jim Cooke/GMG, foto: Getty