A NASA anunciou na quarta-feira (9) a equipe de 18 astronautas — nove homens e nove mulheres — que foram selecionados para participar das próximas missões Artemis, que levarão a humanidade à Lua novamente.

A equipe inclui astronautas de diversas origens e níveis de experiência. Entre eles, estarão a primeira mulher e o próximo homem a caminhar na Lua. Entre os selecionados, temos Kate Rubins e Victor Glover — dois astronautas que já estão a bordo da Estação Espacial Internacional — além de Christina Koch e Jessica Meir, que em 2019 e 2020 participaram das primeiras caminhadas espaciais feitas exclusivamente por mulheres.

A partir do próximo ano, a equipe Artemis ajudará a NASA a realizar missões críticas para desenvolver sistemas de pouso humano e, eventualmente, ajudará no desenvolvimento de treinamento e no engajamento do público nos planos de exploração da NASA.

Como já dissemos, a NASA está se esforçando para começar a fase do capitalismo lunar, selecionando recentemente as primeiras quatro empresas privadas que serão contratadas para as primeiras vendas de recursos espaciais. Embora ainda estejamos muito longe de colonizar a Lua, a equipe Artemis será parte disso. A NASA também tem a meta de estabelecer uma presença lunar humana sustentável até o final da década — pense em algo como uma base lunar.

Essa data de 2024 é particularmente ambiciosa, dado o enorme déficit orçamentário que a NASA está enfrentando atualmente para o desenvolvimento do módulo de pouso.

“Estamos no meio de uma negociação para obter o financiamento”, disse o administrador da NASA, Jim Bridenstine ,recentemente ao Conselho Espacial dos EUA, de acordo com a CBS News. “Isso tem que ser de natureza geracional, o que significa que é necessário um forte apoio bipartidário.”

“Mas, em última análise, se não recebermos os US$ 3,3 bilhões (solicitados), fica cada vez mais difícil”, continuou Bridenstine. “Se houver algo que vocês possam fazer para ajudar com os US$ 3,3 bilhões, certamente pediremos.”

Ainda não sabemos quais serão os planos do governo Biden para financiar futuras missões lunares, a ideia de predomínio no espaço há muito mantém amplo apoio bipartidário nos EUA. De uma forma ou de outra, eventualmente vamos voltar para aquela grande rocha árida no céu, e a equipe Artemis terá de estar pronta para chegar lá.