O aspartame, frequentemente usado como substituto do açúcar, provavelmente não faz bem à saúde. E um novo estudo publicado por pesquisadores do Hospital Geral de Massachusetts, nos EUA, encontrou um possível motivo para ele não contribuir na perda de peso.

Monitores de atividades físicas podem dificultar emagrecimento
Quase meio bilhão de pessoas no mundo tem diabetes, segundo a OMS
Por que sua rotina de exercícios físicos de repente para de ajudar na perda de peso
A ciência da gordura: como ela é armazenada no corpo – e como queimá-la

Richard Hodin, um cirurgião do hospital e autor do estudo, explicou que “substitutos do açúcar como o aspartame são projetados para promover a perda de peso e diminuição da incidência da síndrome metabólica, mas diversos estudos clínicos e epidemiológicos sugerem que esses produtos não funcionam muito bem e podem até fazer as coisas piorarem.”

O doutor Hodin e sua equipe descobriram que os adoçantes artificiais inibem a fosfatase alcalina intestinal, uma enzima do intestino que pesquisadores acreditam ajudar na prevenção da obesidade. Então mesmo que a sua bebida dietética não tenha açúcar, ela pode não ajudar na sua jornada de perda de peso.

Para testar os efeitos do aspartame nas enzimas, os pesquisadores examinaram quatro grupos de camundongos durante um período de quatro semanas. Eles alimentaram dois dos grupos com uma dieta rica em gordura, um bebia água enriquecida com aspartame, enquanto o outro bebia água pura. Os outros grupos recebiam uma dieta normal – um bebia água com aspartame, outro água pura. Os camundongos que bebiam a água enriquecida em aspartame tomavam o equivalente a três latas e meia de refrigerante dietético por dia.

Os pesquisadores descobriram que “por mais que houvesse diferença entre o peso dos dois grupos alimentados com uma dieta normal, os camundongos com a dieta rica em gordura que recebiam aspartame ganharam mais peso do que os com a mesma dieta e água normal.”

Além disso, os camundongos que receberam água com aspartame tinham pressão sanguínea e nível de açúcar no sangue maiores, o que os pesquisadores acreditam ser uma evidência de intolerância a glicose. “Ambos os grupos que recebiam aspartame tinham altos níveis de uma proteína inflamatória TNF-alfa no sangue, o que sugere um tipo de inflamação sistêmica associada com a síndrome metabólica,” segundo o Science Daily.

Hodin explicou que “por mais que não possamos descartar a contribuição de outros mecanismos, nossos experimentos mostram claramente que o aspartame bloqueia a atividade da fosfatase alcalina intestinal, independentemente de outros efeitos.”

[Science Daily]

Foto via Steve Snodgrass/Flickr