A ESA (Agência Espacial Europeia) comandou a primeira missão de todos os tempos para remover um único pedaço de lixo espacial da órbita.

Os seres humanos colocam tantos satélites na órbita baixa da Terra que o espaço ao nosso redor agora está cheio de lixo. Muitos desses detritos se quebram em colisões com outros pedaços de detritos, resultando em mais de 120 milhões de objetos minúsculos (além de dezenas de milhares de pedaços maiores) viajando ao redor da Terra a velocidades de até 28 mil quilômetros por hora.

Esses detritos podem ser perigosos para satélites ativos e missões espaciais, e podem poluir a visão dos astrônomos que observam o céu. A nova missão será lançada em 2025 e tem como objetivo demonstrar que os seres humanos têm a capacidade de remover detritos espaciais da órbita.

O Conselho Ministerial da ESA firmou um contrato para a missão na reunião do Space19 + no mês passado, de acordo com um comunicado de imprensa da ESA. Eles selecionaram uma startup suíça chamada ClearSpace, fundada por pesquisadores da Ecole Polytechnique Fédérale de Lausanne, para liderá- la. A missão conta com uma espaçonave, ClearSpace-1, que será lançada primeiro a 500 quilômetros acima da superfície da Terra para testes. Então, os operadores da espaçonave elevarão a nave a uma órbita mais alta e usarão quatro braços robóticos para agarrar o estágio superior da Vespa de 100 kg que a ESA deixou em órbita em 2013. A nave, segurando os destroços, irá então desacelerar para desorbitar e queimar na atmosfera.

Obviamente, um único pedaço de entulho não diminui o problema. Mas a missão ClearSpace-1 espera mostrar que a tecnologia funciona antes de passar para alvos mais difíceis ou vários objetos ao mesmo tempo.

Detritos espaciais se tornam um problema maior com cada objeto adicional que os humanos lançam no espaço. Um artigo de 1978 teoriza que cada colisão entre pedaços de detritos aumenta a probabilidade de colisões adicionais, criando uma cascata que eventualmente leva a um anel de lixo espacial ao redor do planeta.

O ClearSpace-1 segue os passos do experimento RemoveDEBRIS, que recentemente usou um arpão para se fixar em um alvo de lixo espacial simulado de 10 centímetros que ele próprio trouxe para o espaço. O teste dessa missão terminará em março, quando será lançada uma vela para desacelerar.

Os impactos que os seres humanos causam no ambiente baixo da Terra são claros, desde detritos espaciais a inúmeros satélites de comunicação que podem até interferir na astronomia. Esse tipo de missão é um passo em direção a uma solução – mas quanto mais esperarmos para agir, pior será o problema.