A Amazon e sua empresa subsidiária IMDb estão se preparando para lançar um serviço gratuito e com anúncios para o player de mídia digital Fire TV que seria “parecido com o Roku Channel ou com algumas partes do Hulu”, noticiou a CNBC nesta segunda-feira (1), citando fontes familiarizadas com o projeto.

• Streaming da Apple é tão sem graça que os funcionários estão chamando de “TV aberta cara”
• Uma nova abordagem promete acabar com o atraso do streaming em relação à transmissão de TV

Segundo a CNBC, o novo canal terá uma biblioteca tanto de séries quanto de filmes e oferecerá suporte para anúncios intercalados e outros embutidos no player em si. A Amazon também supostamente irá permitir que anunciantes tenham acesso aos dados de seu usuários, no que a CNBC afirma que seria uma decisão inédita na plataforma Fire TV:

O serviço também irá ajudar a Amazon a continuar a aumentar sua participação no mercado de publicidade digital, que é dominado por Google e Facebook. De acordo com o eMarketer, a empresa de Jeff Bezos é, atualmente, o terceiro maior anunciante digital, com cerca de 4% do mercado; Google e Facebook, juntos, têm mais de 57%.

No novo serviço, as propagandas poderão aparecer entre os conteúdos, e anunciantes poderão colocar os anúncios em torno do “player” de vídeo embutido, parecido com a experiência em vários sites. A Amazon já permite comerciais em conteúdos dos apps da Fire TV, mas a novidade expandiria consideravelmente a oferta e permitiria mais insights sobre a enorme base de usuários da empresa.

Segundo a reportagem da CNBC, o serviço gratuito parece ter sido feito com o intuito de atrair as bibliotecas de conteúdo mais antigo de empresas de mídia. Há uma menção no artigo sobre a possibilidade de a Amazon criar um serviço parecido, com anúncios, envolvendo o conteúdo da plataforma Prime Video, mas a companhia disse à emissora que, atualmente, não existem planos para fazer isso.

A informação sobre o novo serviço apareceu primeiro no The Information, que noticiou que o nome do canal poderia ser Free Dive (nome que parece conjurar uma ideia de selecionar conteúdos antigos aleatoriamente, sem saber o que vem, embora seja de se supor que o IMDb e sua enorme base de dados de reviews tenham um papel na curadoria dessa biblioteca). Embora o mercado de anúncios da Amazon ainda constitua apenas uma pequena porção de sua receita global, o The Information apontou que ele está se expandindo rapidamente:

Ele compõe a maior parte do segmento “outros” nos demonstrativos de lucro da Amazon, crescendo 132% e chegando a US$ 2,2 bilhões no segundo trimestre. A empresa Cowen, de Wall Street, estima que a empresa irá gerar US$ 8 bilhões em receitas dessa categoria neste ano. Isso ainda é uma fração minúscula da receita esperada de mais de US$ 200 bilhões da Amazon neste ano. E está muito atrás do que Facebook e Google ganham com publicidade digital — o Facebook teve US$ 13 bilhões em publicidade só no segundo trimestre. Mas o acesso da Amazon a dados de compras dá à empresa a chance de se tornar um rival formidável.

Embora as emissoras de TV ainda recebam o grosso da publicidade em vídeo, acrescentou o site, a Amazon espera poder capitalizar em cima de suas enormes bases de dados de informações de consumidores para oferecer “mais inventário de vídeo para anunciantes ansiosos para usar as capacidades de direcionamento (de anúncio) da empresa”. Uma vantagem essencial para a Amazon é que a plataforma tem uma projeção de controlar metade do mercado de e-commerce dos Estados Unidos, e todos esses dados de compra poderiam, um dia, ajudá-la a encarar o duopólio de Facebook e Google no mercado de publicidade online.

De acordo com o The Information, a Amazon também anunciou recentemente que iria incluir mais anúncios na plataforma de streaming Twitch, outra de suas subsidiárias, incluindo na versão paga, que antes era livre de propagandas.

Não há informações sobre a disponibilidade desse possível novo canal em outros países, mas a decisão da gigante da tecnologia poderia abrir um precedente para que outras empresas de streaming sigam o mesmo caminho, especialmente levando em conta o rumor de que o Prime Video possa ter algo parecido.

[CNBC/The Information]

Imagem do topo: AP