Faz três semanas que a Apple anunciou o News+, um ambicioso serviço que oferece assinatura para centenas de revistas e um punhado de jornais por US$ 10 por mês. Esse é o primeiro de dois grandes novos serviços pagos que a empresa planeja lançar neste ano, como parte de um enorme esforço para revitalizar seus negócios diante das preocupantes vendas de iPhones. Infelizmente, o Apple News+ não funciona muito bem. E partes dele não funcionam nem um pouco.

Tenho usado o Apple News+ diariamente desde seu lançamento em 25 de março, e não tem sido fácil. No momento, o serviço parece incompleto, e usá-lo é uma experiência cheia de frustrações. Algumas delas incluem dificuldades com a navegação entre os conteúdos dos novos parceiros do Apple News+, além de outros grandes problemas ao tentar ler esses conteúdos, alguns dos quais não passam de meros PDFs das páginas de revistas — e que não ficam bem em telas pequenas.

O mais frustrante é que a assinatura paga do Apple News+ não te dá acesso completo ao acervo digital de todas as publicações participantes. Na maior parte, você só pode ler as matérias que aparecem nas edições impressas.

Os primeiros problemas: compartilhamento familiar

Algumas partes do Apple News+, como o compartilhamento familiar, não funcionam atualmente como havia sido divulgado. Segundo o Suporte da Apple, sua família “automaticamente tem acesso ao Apple News+ depois de você assinar”. Esse não foi o caso comigo. Quando assinei, meus familiares não ganharam acesso imediato. Foram necessárias várias chamadas para a empresa antes que me dissessem que o único jeito de ativar isso era ligando a opção “Compartilhamento de Compras”.

Entretanto, habilitar essa função permite aos meus familiares acessar todas minhas compras na App Store e no iTunes. Significa que eles podem fazer compras com meu cartão de crédito. Em última análise, eu tive que concordar com tudo isso, porque, por ora, habilitar o compartilhamento de compras é a única maneira de compartilhar minha assinatura do Apple News+ com meus familiares.

Existe um claro alternador no compartilhamento familiar para ligar a opção no Apple Music, mas não para o Apple News+: Adam Clark Estes (Gizmodo)

A Apple está tentando descobrir como tornar o compartilhamento familiar mais fácil. E tenho certeza de que a empresa irá consertar outras falhas que apareçam no início do serviço. Não esuqeçamos que a companhia teve que redesenhar o Apple Music uns meses depois de seu lançamento, depois de queixas de consumidores sobre como o app era bagunçado. Infelizmente, o Apple News+ também é uma bagunça completa em seu lançamento.

Um bom negócio, mas falta melhorar a experiência

Isso é uma pena, porque, pelo valor, o Apple News+ parece um ótimo negócio. O serviço custa US$ 10 por mês e oferece acesso a assinaturas de mais de 300 revistas, incluindo edições completas de grandes títulos como New YorkerVanity Fair, GQ, Atlantic, WiredScientific American. Além disso, assinantes têm acesso a diversos jornais, incluindo o Wall Street Journal e ao Los Angeles Times (New York TimesWashington Post optaram por não participar do Apple News+, embora você ainda possa encontrar alguns artigos desses jornais no feed normal do Apple News).

Se você gosta de leituras jornalísticas longas e também quer notícias de economia sem gastar muito, o serviço provavelmente soa como uma barganha. Afinal, só uma assinatura digital da New Yorker custa US$ 90 por ano atualmente.

A questão é que uma assinatura do Apple News+ não é a mesma coisa que a assinatura de cada uma das publicações individuais que vem no app. Repetindo, você não necessariamente recebe acesso completo a todo o conteúdo digital dessas publicações. Se tem um artigo da Wired que aparece online e não na revista, existe uma chance de você não possa lê-lo no Apple News+.

Caso você tenha acesso a esse conteúdo exclusivamente digital, você provavelmente terá muita dificuldade de encontrá-lo. Isso porque o Apple News+ é, em grande parte, organizado em torno de versões digitais de edições impressas das revistas. Quando você vai ver uma revista, você verá uma versão digital de uma determinada edição — mas não todas as edições. A maioria das revistas no Apple News+ tem acervo apenas até um ano atrás, em média, que foi quando a Apple adquiriu um serviço de assinatura de revista digital chamado Texture. Edições antigas de outras publicações datam apenas de até seis meses atrás.

A experiência com revistas no Apple News+ é apenas uma versão modificada do que o Texture oferecia. Algumas publicações importantes como a Vanity Fair e outras como Condé Nast, que ajudou a desenvolver o Texture, oferecem versões de suas revistas otimizadas para o Apple News+. Elas parecem mais com páginas web do que com páginas de revista e, como elas são especificamente codificadas no formato Apple News, esse conteúdo é responsivo e se ajusta a diferentes tamanhos de tela. Outras publicações menores, como Surfer Guitar World, aparecem no Apple News+ como nada mais do que uma série de PDFs que você pode “folhear” e dar zoom para ler. A leitura por PDF é muito ruim na pequena tela do iPhone, a propósito.

Você precisa dar zoom para ler as páginas de PDF da revista Surfer, e nem sempre é fácil. Foto: Adam Clark Estes (Gizmodo)

Privilégio para publicações no Apple News tradicional

Até agora, vim descrevendo as partes mais funcionais do Apple News+. Você pode ler alguns conteúdos de revistas e você pode ler alguns conteúdos de um número seleto de jornais. Mas, em geral, a experiência de fazer isso é terrível, e estou dizendo isso como alguém que é fã do Apple News há um bom tempo.

É quase como se a Apple tivesse piorado o app News de propósito. Sempre gostei de como eu podia abrir o aplicativo e receber um feed de notícias com um trabalho de curadoria feito a partir de boas publicações (a Apple diz que usa editores humanos para escolher as melhores histórias, trazendo apenas conteúdo de veículos confiáveis).

Antes da atualização de software que trouxe o Apple News+, o feed “Hoje” nunca foi perfeito ou livre de matérias ruins, mas eu tinha, sim, a impressão de que estava vendo um resumo do que estava acontecendo no mundo sem ter que navegar no chorume do Twitter. Por algum motivo, o novo Apple News parece pior.

O feed parece abarrotado de conteúdo dos parceiros do Apple News+, o que significa que eu vejo mais matérias do Wall Street Journal e não vejo o bastante do New York Times. É difícil quantificar como a mistura exata das matérias dos parceiros do News+ com o conteúdo livre puxado de feeds mudou, já que o feed de cada usuário é personalizado. A Apple também não revelou detalhes sobre o algoritmo que determina o que aparece no feed das pessoas. Independentemente disso, não curto ver o feed “Hoje” tanto quanto antes, mas isso é subjetivo.

Navegação pouco intuitiva

Existem também alguns aspectos mais objetivos da experiência no Apple News+ que são inegavelmente horríveis. Um menu no topo da aba do News+, por exemplo, convida o usuário a ver todas as revistas disponíveis. Você pode olhar por uma lista em ordem alfabética ou navegar por tópicos. Parece que a Apple tentou recriar a experiência antiga de uma banca de jornais, porque você fica inclinado a encontrar, selecionar e folhear edições digitais como faria com revistas físicas em uma livraria. Mas não dá para seguir diretamente qualquer uma das publicações a partir dessas telas de navegação.

Para fazer isso, você precisa abrir uma edição da revista, clicar no logotipo no topo da tela para ir até a página inicial da revista e então clicar no coração no canto direito superior para segui-la. Depois disso, a revista irá aparecer no seu feed Minhas Revistas, e então você receberá notificações sempre que sair uma nova edição.

Tocar no pequeno ícone de download permite que você veja uma edição offline, mas não salva essa edição em um lugar óbvio. Foto: Adam Clark Estes (Gizmodo)

Navegar no Apple News+ tem mais algumas peculiaridades, acredite se quiser. A parte “Recente” do feed Minhas Revistas não mostra todas as revistas que você viu recentemente, mas, sim, revistas que você seguiu recentemente. A única vez que você verá nesta seção uma revista que não está seguindo é quando você estiver lendo, aparecendo sob um cabeçalho que diz “Lendo Agora”. Revistas baixadas também são difíceis de encontrar. Você pode tocar em um ícone de nuvenzinha para baixar as edições à mostra e vê-las offline. Entretanto, esses downloads não são salvos em um lugar fácil de se achar como o Minhas Revistas.

Você precisa encontrá-las, caçando as edições na lista completa de publicações ou na seção “Histórico”, que fica enterrada no fundo da aba “Seguindo”. Embora você possa buscar por tópicos, canais e até mesmo palavras-chave em matérias por meio da aba “Seguindo”, não tem como buscar revistas específicas no Apple News+.

Além da simulação de banca de jornal e da parte Minhas Revistas do app, a aba do News+ também tem um feed que inclui algumas seções de matérias com curadoria sobre tópicos como “Cinema” ou “Tecnologia”. O feed também traz pacotes editoriais construídos em torno de temas como “Vivendo Melhor”. Se você quiser ler tudo disponível de sua revista favorita, tecnicamente é possível encontrar seu caminho até a página inicial de tal revista a partir desse feed.

Parecido com o processo descrito acima, você precisa encontrar um artigo dessa publicação no feed ou em uma edição específica, clicar até a página do artigo, clicar novamente no nome da publicação e então você se verá na página da publicação. Não existe função de busca além da limitada oferta na aba Seguindo, e também não tem como ver todas as matérias de um determinado autor. Há opções para salvar matérias em um repositório em comum, mas essa seção é meio que escondida no fundo da aba Seguindo, onde você também pode ver seu histórico.

Falta ao aplicativo Apple News um lugar óbvio para encontrar o que você já leuo, mas há uma opção de “Histórico” enterrada na aba Seguindo. Foto: Adam Clark Estes (Gizmodo)

Concluindo

Portanto, se o Apple News+ te dá acesso a vários conteúdos por US$ 10 por mês, mas esse conteúdo é bem difícil de ler, qual o sentido? Tenho uma teoria maluca (e levemente divertida) de que esse design ruim foi feito de propósito como uma concessão aos editores que ainda têm um produto de assinatura para vender. No período que antecedeu o anúncio do Apple News+, circularam rumores sobre os termos ruins oferecidos aos compradores. Foi amplamente noticiado que a Apple toma 50% dos dólares arrecadados com as assinaturas do News+, dividindo o restante com os editores com base em seu tráfego.

Também foi noticiado que a Apple não irá compartilhar dados dos assinantes que possam ser úteis para veículos de imprensa e seus esforços de marketing. Esses termos provavelmente são o que fizeram com que publicações como New York Times Washington Post não se juntassem ao Apple News+. Ao mesmo tempo, as publicações participantes ainda têm seus próprios serviços de assinatura que certamente são mais lucrativos do que o Apple News+. Então, por que eles ofereceriam acesso completo ao seu conteúdo a usuários da Apple por centavos, quando poderiam continuar vendendo um produto melhor por conta própria?

O que dá para tirar dos meus primeiros dias com o Apple News+ é que ele simplesmente está incompleto. E, em sua incompletude, ele é um terror de se usar. Os designers da Apple certamente são capazes de melhorar a experiência de navegação. Os engenheiros da Apple provavelmente irão consertar os bugs, de forma que o News+ funcione como anunciado. Entretanto, parece muito improvável que ler qualquer publicação no Apple News+ vá ser igual à experiência de ler no aplicativo da revista/jornal em si ou em seu site.

Também não há indícios de que as publicações começaram a oferecer conteúdos que não apareçam nas edições impressas, considerando que a Apple está claramente vendendo as opções de revistas como versões digitais do que está na banca de jornal.

Algumas das versões são otimizadas para o Apple News+. Muitas não são e, como resultado, são muitas vezes impossíveis de ler. Portanto, por US$ 10 ao mês, não é surpresa que o Apple News+ pareça uma experiência de porão baratinha. Porque é isso mesmo que ele é.

Isso não significa que você não vai gostar do Apple News+. Se você compra edições das revistas participantes em bancas de jornal, você pode pensar que é um grande negócio. O serviço de fato oferece acesso a um monte de coisas ótimas por US$ 120 por ano. Esse é aproximadamente o preço de 13 revistas nova-iorquinas nas bancas. Portanto, se você não se importar em abandonar o papel e ler as coisas uma edição de cada vez e talvez estar sempre um pouco confuso usando o aplicativo, você pode adorar o Apple News+.

Bom, vale a pena pelo menos checar o teste gratuito, que dura um mês. Talvez espere pelas suas férias, entre no teste gratuito e leia o máximo que puder. Só não se esqueça de cancelar a assinatura.