Os EUA, Israel e alguns outros países têm feito um trabalho decente ao vacinar rapidamente seus residentes contra a Covid-19 — mas nenhum se compara à pequena nação asiática do Butão. Em cerca de duas semanas, o país foi capaz de vacinar quase toda a sua população adulta.

De acordo com a AP, 93% dos residentes adultos já receberam pelo menos uma dose da vacina, o que representa 62% da população geral do país. Isso por si só supera lugares como os EUA, onde 46,5% da população adulta está parcialmente vacinada, e até mesmo Israel, onde 58% de todos os residentes já receberam pelo menos uma dose.

Mas isso é ainda mais notável quando você considera que o Butão realizou esse feito em apenas 16 dias, desde que as primeiras doses foram distribuídas ao público em 27 de março. Em contraste, os Estados Unidos começaram a vacinar as pessoas há mais de três meses, em meados de dezembro.

O Butão, localizado entre o Tibete e a Índia, contou com algumas vantagens na vacinação de residentes, como seu pequeno tamanho. A nação predominantemente budista, liderada por uma monarquia constitucional, tem apenas cerca de 800 mil residentes, tornando-se o 165º país mais populoso do mundo. Mas a implantação foi bem-sucedida devido aos voluntários altamente motivados que a administraram, bem como à experiência anterior com campanhas de vacinação em massa que envolvem armazenamento em cadeia refrigerada, relata a AP.

O país experimentou um salto relativo no número de casos em dezembro e janeiro, mas também conteve em grande parte a pandemia todo esse tempo, com apenas 910 casos e uma morte relatada até o momento. Espelhando outros países de sucesso como a Nova Zelândia, o Butão impõe uma quarentena estrita de 21 dias aos viajantes que entram no país.

Assine a newsletter do Gizmodo

Embora a campanha do país vá terminar em breve, Pandup Tshering, secretário do Ministério da Saúde, disse à AP que as pessoas que não puderam ser vacinadas inicialmente ainda podem solicitar sua dose, enquanto o país tem vacinas suficientes para imunizar toda a sua população.

Outros pequenos países como a República das Maldivas e Seychelles também têm obtido sucesso semelhante em vacinar seus residentes. Infelizmente, grande parte do mundo ainda não pode dizer o mesmo.