Cangurus e coalas são as primeiras coisas que vêm à mente quando se pensa na Austrália, mas o país também abriga mais de um milhão de camelos. Mas enquanto os australianos correm para salvar a vida selvagem nativa do país em face de enormes incêndios florestais e secas esmagadoras, os camelos não nativos enfrentam um destino diferente. As autoridades planejam matar 10 mil camelos nos próximos cinco dias.

Líderes aborígines nos territórios de Anangu Pitjantjatjara Yankunytjatjara, no sul da Austrália, sancionaram o abate dos animais. Os bichos usam recursos hídricos que estão cada vez menores e são necessários às comunidades que enfrentam uma seca severa. Em busca de água, os camelos estão destruindo cercas e invadindo quintais, de acordo com uma matéria da news.com.au. Os animais competem por esses recursos e às vezes acabam morrendo pisoteados, e suas carcaças podem acabar contaminando as fontes de água.

Em um esforço para evitar mais danos e reduzir os conflitos entre humanos e camelos, as autoridades estaduais estão permitindo que atiradores profissionais em helicópteros abatam os animais. A operação está programada para começar nesta quarta-feira (8) e durar cinco dias.

A vida selvagem australiana foi duramente atingida pelos incêndios em todo o país, com cerca de 480 milhões de animais afetados ou mortos e milhares de quilômetros quadrados de habitat em ruínas. Os camelos são uma história um pouco diferente, pois são essencialmente uma espécie invasora. Os australianos importaram cerca de 15 mil camelos na década de 1840 para ajudar a explorar a paisagem seca.

Desde então, a população de camelos aumentou, com cerca de 1,2 milhão de camelos selvagens vagando principalmente na divisa entre o Território do Norte e a Austrália Meridional. Além de usar os recursos hídricos, eles também têm uma propensão à destruição de habitats. Todos os anos, os animais são responsáveis ​​por mais de US$ 10 milhões em danos, pois destroem a vegetação nativa, as áreas úmidas, os poços de água e os locais culturais.

A seca deste ano tornou os recursos hídricos já escassos ainda mais disputados. Os territórios de Anangu Pitjantjatjara Yankunytjatjara ficam em um canto da Austrália Meridional que registrou o menor total de chuvas em 11 meses já registrado pelo Escritório de Meteorologia do país.

O persistente calor extremo piorou a seca lá e em outros lugares na Austrália, onde o roubo de água se tornou uma preocupação crescente. Os modelos climáticos mostram que a Austrália provavelmente ficará mais seca à medida que a crise climática se agravar, e a crise certamente é um presságio disso.

Os humanos criaram esse problema e agora estão tentando corrigi-lo. As autoridades tentaram administrar a população de camelos capturando os animais para consumo ou exportação in vivo. No entanto, isso não se mostrou eficaz para reduzir os números populacionais. A morte parece ser a melhor opção disponível. Que esses camelos descansem em paz — eles mereciam um fim melhor.