Estalando em uma escala cósmica, pequenas chamas na coroa solar têm intrigado pesquisadores, pois são os pontos mais brilhantes em uma atmosfera solar com temperaturas extraordinariamente altas. Agora, os cientistas propõem que esses pequenos incêndios são causados ​​pela convergência de campos magnéticos quilômetros acima da superfície do Sol.

As chamas foram detectadas pela primeira vez em 2020 pelo Solar Orbiter, o produto de uma colaboração entre a Nasa e a Agência Espacial Europeia e a primeira espaçonave a se aproximar o suficiente do Sol com a tecnologia para realmente ver o que está acontecendo. Em fevereiro deste ano, nos primeiros aniversários de seu lançamento, o orbitador chegou ao outro lado do Sol. Agora, dois artigos sobre as chamas, apelidadas de “fogueiras” por seu tamanho relativamente pequeno, foram aceitos para publicação na revista Astronomy and Astrophysics. Os artigos relatam 1.500 desses eventos na atmosfera solar, visto pelo gerador de imagens Extreme-Ultraviolet Imager a bordo do orbitador.

“As menores chamas não detectadas anteriormente ocorrem com muito mais frequência do que as maiores”, disse Regina Aznar Cuadrado, gerente de projeto do Instituto Max Planck para Pesquisa do Sistema Solar e uma das coautoras do artigo, em um comunicado à imprensa do instituto. “Pode ser que sua influência no aquecimento coronal tenha sido subestimada até agora.”

A temperatura da coroa é de quase 1 milhão de graus Celsius, enquanto a fotosfera do Sol (o que normalmente vemos a olho nu) está um pouco abaixo de 5,5 mil graus Celsius. Ainda não se sabe por que a coroa fica tão quente e de onde ela invoca a energia para sustentar tais temperaturas. “Para avaliar o papel que as fogueiras realmente desempenham, primeiro precisamos entender quais processos físicos são responsáveis ​​por elas”, disse o coautor Hardi Peters no comunicado do Max Planck.


Imagens do Sol, tiradas pelo Solar Orbiter em 30 de maio de 2020. Gif: Solar Orbiter/EUI Team (ESA e Nasa); CSL, IAS, MPS, PMOD/WRC, ROB, UCL/MSSL (Uso justo)

Quando vistas em maiores detalhes, os pesquisadores descobriram que as fogueiras estavam em loop, formando enormes arcos de energia na corona, uma reminiscência dos campos magnéticos que se manifestam na mesma região do Sol. Daí a principal observação da equipe: que a maioria das chamas ocorrem quando dois campos magnéticos se cruzam e interagem. Nesse cruzamento, acredita a equipe, pode ser liberada energia suficiente para superaquecer o plasma solar na coroa. Não é apenas o número de chamas que podem contribuir para a temperatura coronal; é a contribuição individual de energia de cada flare.

Assine a newsletter do Gizmodo

O Solar Orbiter fará uso de seis assistências de gravidade total em sua viagem em direção ao Sol, na qual a espaçonave capitaliza a atração gravitacional de corpos próximos para permanecer no curso para seu destino final. Apenas uma dessas assistências, usando Vênus, já foi realizada; a próxima está marcada para 8 de agosto. O único sobrevoo da Terra ocorrerá no final de novembro, quando o Solar Orbiter estará totalmente operacional e coletando mais dados de rotina para os cientistas solares explorarem.