Em um novo estudo esta semana, pesquisadores descrevem seu trabalho com compostos experimentais que pode oferecer os benefícios de uma droga psicodélica à saúde mental, sem fazer as pessoas alucinarem. Suas primeiras pesquisas, até agora conduzidas apenas em ratos, podem algum dia fornecer mais tratamentos para doenças como a depressão.

Os psicodélicos estão atualmente sendo vistos como possíveis tratamentos para doenças mentais. Já existem ensaios clínicos em andamento de drogas como LSD e psilocibina (o principal ingrediente dos cogumelos alucinógenos) para doenças como depressão, ansiedade e transtorno de estresse pós-traumático, às vezes em combinação com psicoterapia. Apenas neste mês, um novo estudo descobriu que a terapia com psilocibina parecia ser tão eficaz quanto os antidepressivos no tratamento de depressão moderada a grave.

Mas, embora essas drogas, há muito proibidas nos Estados Unidos, possam em breve ser aceitas como parte do tratamento de transtornos mentais, seus efeitos colaterais alucinógenos provavelmente limitarão seu potencial de amplo uso, de acordo com o autor do estudo David Olson, químico do Universidade da Califórnia Davis.

Um resumo visual do novo estudo da equipe. Ilustração: Tian, ​​et al/Cell

“Como resultado, acho que os psicodélicos provavelmente servirão como a última linha de defesa se algum dia forem aprovados — reservados para pacientes que já tentaram de tudo”, disse Olson ao Gizmodo por e-mail. “Em contraste, análogos não alucinógenos de psicodélicos têm maior potencial para escalabilidade, talvez até mesmo se tornando terapias de primeira linha.”

Olson e sua equipe têm trabalhado tentando desenvolver a próxima geração de drogas psiquiátricas — ou seja, drogas que podem aumentar a capacidade natural do cérebro de religar ou criar novas conexões quando necessário, conhecido como plasticidade neural. E como os psicodélicos se mostraram promissores na promoção da plasticidade neural, um aspecto de sua pesquisa envolveu a tentativa de criar versões dessas drogas que tivessem menos efeitos colaterais e que não exigiriam um regime de longo prazo.

Olson e seu laboratório colaboraram com o pesquisador e bioquímico Lin Tian da UC Davis e sua equipe para desenvolver um sensor fluorescente que pode literalmente acender no cérebro de camundongos quando exposto a produtos químicos que induzem à alucinação. O sensor é ativado quando um composto se liga a um receptor celular associado às alucinações, denominado serotonina 2A. Eles usaram esse sensor, chamado PsychLight, para identificar um composto que não dispararia o alarme, mas que ainda criasse os outros efeitos antidepressivos associados aos psicodélicos. Em seguida, eles começaram a mostrar que um candidato, chamado AAZ-A-154, realmente parecia funcionar como pretendido, pelo menos em ratos.

“Demonstramos que o AAZ pode aumentar o crescimento de neurônios corticais, o que é típico de compostos antidepressivos”, disse Olson. “Finalmente, confirmamos que o AAZ produz efeitos antidepressivos em roedores usando testes comportamentais relacionados à motivação e anedonia [a incapacidade de sentir prazer].”

As descobertas da equipe foram publicadas na quarta-feira na revista Cell.

É possível que a PsychLight não só permita que pesquisadores como Olson procurem novos compostos similares a drogas psicodélicas, mas também novos antipsicóticos ou mesmo drogas psicodélicas não descobertas. “Esses psicodélicos até então desconhecidos teriam potencial para serem usados de forma abusiva, devido aos seus efeitos alucinógenos, mas também podem ser usados ​​na medicina como os chamados psicodélicos de ‘segunda geração’ com propriedades farmacológicas otimizadas”, disse Olson.

Assine a newsletter do Gizmodo

Claro, tudo isso ainda está em fase muito inicial. Mas, com base no trabalho de seu laboratório, Olson ajudou a fundar a Delix Therapeutics, que espera desenvolver o AAZ e outros medicamentos para uso clínico. Se tiverem sucesso, eles podem muito bem oferecer a ajuda necessária às pessoas que lutam contra a depressão e outras doenças mentais.

“Dado o fato de que cerca de 20% da população sofrerá de doença mental em algum momento de sua vida, é essencial encontrarmos medicamentos que possam ser administrados a um grande número de pacientes”, disse Olson.