Você pode imaginar os meteoros como flashes no céu que resultam em meteoritos de aparência irregular no solo. Mas nem todos os meteoritos são esferas. Uma quantidade substancial, como as sobras da explosão de Chelyabinsk de 2013, é notavelmente cônica. Uma equipe de cientistas acha que sabe por quê.

Um grupo de pesquisadores da Universidade de Nova York estuda como as coisas na Terra adquirem suas formas através das forças como a erosão e a erupção. Eles notaram em seus experimentos anteriores que um pedaço fixo de argila se formava em forma de cone quando a água passava por ele. Eles então pensaram que poderiam aplicar esta história a meteoritos.

“Agora temos uma história consistente por trás desses meteoritos cônicos”, disse o autor correspondente do estudo, Leif Ristroph, ao Gizmodo. “A erosão forma um cone e, por feliz coincidência, o cone formado também é estável durante o voo”.

Há um longo histórico de cientistas tentando entender como diferentes formas viajam através de coisas viscosas como ar ou líquido, e a equipe da NYU observou a água fluindo através da argila, que a erodiu em cones. Os meteoritos que viajam pelo ar são mais parecidos com essa configuração do que você imagina, já que ambos envolvem um objeto macio com uma força fluídica passando por eles. Mas eles são diferentes de uma maneira importante: o barro em seu primeiro experimento estava em uma posição fixa enquanto a água passava por ele, mas os meteoros viajam pelo ar. Então, os pesquisadores projetaram um experimento para estudar como esses meteoritos cônicos se formam.

Para a fase mais recente do experimento, os pesquisadores lançaram vários cones pequenos de ângulos variados em um tanque de água de 60 centímetros de altura. Cones que eram muito finos viraram ou caíram, e cones muito largos tremularam e balançaram como uma folha caindo. Mas cones com o ângulo certo, entre 30 a 50 graus, mantiveram sua orientação até pousarem, de acordo com o artigo publicado na revista Proceedings, da Academia Nacional de Ciências. Estes são os cones que se parecem muito com os espécimes em forma de cone que os caçadores de meteoritos encontraram.

Mas o experimento não responde a tudo; por exemplo, o ar erode a rocha espacial quente em forma de cone estabilizado que cai no solo, ou esses objetos entram na atmosfera como os cones já formados? Essas são perguntas que os pesquisadores esperam responder a seguir, disse o primeiro autor do estudo, Khunsa Amin, ao Gizmodo.

Ainda assim, é algo a se apreciar sobre a natureza – de alguma forma, há meteoros que mantêm a mesma orientação enquanto mergulham na Terra, e temos que agradecer à física por isso.