Se você acessou o Twitter na última semana, provavelmente deve ter notado que não se fala em outra coisa (além do BBB 21, claro): o aplicativo Clubhouse. Ele permite falar com outras pessoas somente por áudio e tem conquistado cada vez mais adeptos, em especial na China. E o país em questão já percebeu isso, pois usuários locais afirmam que a plataforma tem registrados quedas constantes que interrompem seu funcionamento.

A China é um dos países mais controladores do mundo no que diz respeito à internet. Basicamente tudo o que publicado na web é monitorado e controlado pelo governo, que não hesita em limitar, e alguns casos censurar, qualquer conteúdo que não considera pertinente. Aplicativos que para nós brasileiros são comuns, como Facebook e WhatsApp, não são disponibilizados por lá, e passam pelo chamado “Grande Firewall”, um sistema de segurança que impede o acesso a determinados sites, desde redes sociais a páginas de notícias do ocidente.

No caso do Clubhouse, o áudio trocado entre os usuários não fica gravado nos servidores da companhia que controla o app. Além disso, ao contrário de muitos aplicativos chineses, o serviço não foi censurado, e isso serviu de oportunidade para que milhares de chineses pudessem discutir temas considerados proibidos pelo governo.

Foi isso o que repórteres da BBC encontraram. Uma das salas tinha centenas de participantes da China e de Taiwan, que conversavam sobre vários assuntos sensíveis no país, entre eles “os prós e os contras da democracia; discussões polêmicas sobre a política de Hong Kong; conversas sobre o grupo étnico uigur no oeste do país, que tem parte de sua população confinada forçadamente em campos de ‘reeducação’ e sujeita, segundo investigação da BBC, a abusos de direitos humanos; bem como a unificação de Taiwan e China”.

Alguns usuários “também compartilharam histórias sobre visitar as terras natais uns dos outros pela primeira vez”. Taiwan se proclama um Estado soberano, embora Pequim a considere como uma província separatista.

De acordo com a reportagem da BBC, diversos usuários disseram nesta segunda-feira (8) que o Clubhouse parou de funcionar repentinamente. Na rede social chinesa Weibo, mais de 100 mil usuários viram publicações contendo a hashtag #ClubhouseBlocked. Minutos depois, buscas envolvendo essas palavras simplesmente sumiram dos resultados. E muitos que compartilharam fotos de suas contas no aplicativo também foram bloqueados um tempo depois.

O jornal governista Global Times não acredita que o Clubhouse tenha se tornado um “paraíso da liberdade de expressão” para usuários que moram na China. Na verdade, a publicação defende o contrário: que os usuários “expressaram preocupação com a plataforma sendo usada para propaganda anti-China”. O jornal ainda acrescenta que, pelo fato do serviço ainda estar na fase inicial de desenvolvimento, é provável que volte a funcionar no país — desde que atenda aos requisitos do governo.

[BBC]