Os americanos são, geralmente, muito otimistas quando o assunto são novas tecnologias. Mas tem uma tecnologia futurista de que eles estão ficando cada vez mais com mais medo a cada ano: veículos autônomos. Impressionantes 73% dos americanos não confiam em veículos autônomos, em comparação com 63% no fim de 2017.

• Volkswagen e Hyundai entram na onda dos carros autônomos e pretendem lançar frota até 2021
• Uber apresenta primeiro protótipo de seu táxi aéreo, que pode chegar em 2020

O novo estudo, conduzido pela AAA (Associação Automobilística Americana) no começo de abril, descobriu que apenas 20% dos americanos disseram que confiariam em ser conduzidos em um veículo sem motoristas. O maior declínio de confiança veio de millennials, com 64% dizendo que não entrariam em um carro autônomo, em comparação com 49% dizendo que não confiavam na tecnologia no fim de 2017.

Mas os baby boomers (nascidos entre 1946 e 1964) ainda foram os mais temerosos em relação a carros autônomos, com 71% dizendo que não fariam uma corrida neles. A geração X (nascidos entre 1961 e 1981) não ficou muito atrás, com 68% dizendo que não se sentiriam seguros em um veículo sem motoristas.

“Apesar de seu potencial para tornar nossas estradas mais seguras no longo prazo, os consumidores têm grandes expectativas de segurança”, disse Greg Bannon, diretor de Engenharia Automotiva e Relações da Indústria da AAA, em comunicado ao Gizmodo. “Nossos resultados mostram que qualquer incidente envolvendo um veículo autônomo está propenso a mexer com a confiança do consumidor, o que é um componente crítico para a aceitação ampla dos veículos autônomos.”

O estudo mostra até que as pessoas não têm medo apenas de serem passageiras dentro de veículos sem motoristas, mas também de vê-los na estrada quando estão caminhando ou andando de bicicleta. Surpreendentes 63% dos americanos dizem que se sentiriam menos seguros com carros autônomos na estrada quando fossem pedestres.

E esses medos não estão vindo do nada. A Tesla recebeu críticas por seu modo de piloto automático, que foi responsabilizado por várias batidas. E o carro autônomo do Uber atingiu e matou uma mulher de 44 anos em março. Apesar do acidente, o Uber diz que vai colocar seus carros autônomos de volta às ruas em questão de meses.

“Enquanto veículos autônomos são testados, sempre existe a chance de que eles vão falhar ou encontrar uma situação que desafia mesmo o mais avançado dos sistemas”, disse Megan Foster, diretora de Assuntos Federais da AAA, em um comunicado.

“Para aliviar os medos, é preciso ter salvaguardas para proteger os ocupantes dos veículos e os motoristas, ciclistas e pedestres com quem eles compartilham a estrada.”

Com mais veículos sem motoristas nas ruas, quase certamente haverá mais acidentes. A questão é qual o número de acidentes que é aceitável quando se trata de aliviar a preocupação. Por enquanto, o único número aceitável parece ser zero.

Imagem do topo: Getty