A crise climática está mudando todos os aspectos da vida humana, desde as comunidades em que vivemos até o ar que respiramos e os alimentos que ingerimos. Pensar nisso é aterrorizante. Isso me faz querer uma taça de vinho para acalmar meus nervos.

Mas acontece que nem o vinho está a salvo dos impactos das mudanças climáticas. De fato, as uvas usadas para fazer vinho são extremamente sensíveis às mudanças de clima e temperatura. Novas pesquisas mostram que se as temperaturas globais subirem 2 graus Celsius acima dos níveis pré-industriais, o mundo poderá perder mais da metade de suas melhores regiões produtoras de vinho. Se a temperatura subir 4 graus Celsius, a porcentagem de regiões vitivinícolas degradadas perdidas poderá subir para 85%. Então, basicamente, aqueles que não são super ricos podem dizer adeus ao bom vinho.



Felizmente, o estudo, publicado na revista Proceedings, da Academia Nacional de Ciências na segunda-feira, descreve uma estratégia de adaptação: mudar quais tipos de uva serão cultivadas em determinadas regiões.

“Ainda há oportunidades para adaptar a viticultura a um mundo mais quente”, disse o coautor do estudo, Benjamin Cook, em comunicado. “Isso requer levar o problema das mudanças climáticas a sério”.

Em geral, as uvas amadurecem mais rapidamente em climas mais quentes, o que pode tornar o vinho menos ácido, mais doce, de cor mais escura e mais alcoólico. Cada variedade de uva se sai melhor em climas diferentes, e as mudanças de temperatura e as mudanças sazonais afetam o modo como as uvas crescem e amadurecem, bem como a qualidade do vinho que produzem.

O estudo analisou 11 variedades diferentes de uvas para vinho populares. Usando dados anteriores de enólogos e cientistas, os pesquisadores construíram modelos para determinar quando cada uva brotaria, floresceria e amadureceria nas regiões produtoras de vinho ao redor do mundo em três cenários diferentes de aquecimento: 0, 2 e 4 graus Celsius acima dos níveis pré-industriais.

Tanto o aumento de 2 como o de 4 graus Celsius de aquecimento resultaram em perdas inevitáveis. Mas os pesquisadores também usaram projeções de mudanças climáticas para ver quais uvas poderiam crescer em cada região no futuro e descobriram que a mudança de local onde cada variedade é cultivada pode reduzir significativamente essas perdas. Se os produtores de vinho mudarem para variedades mais adequadas às mudanças climáticas, apenas 24% serão perdidos.

“Com 2 graus de aquecimento global e nenhuma tentativa de adaptação, 56% das áreas vitícolas do mundo podem não ser mais adequadas para o cultivo de vinho. Mas se os produtores mudarem para variedades mais adequadas às mudanças climáticas, apenas 24% serão perdidas”, disseram os pesquisadores. “Por exemplo, na região francesa da Borgonha, o mourvedre e o grenache, amantes do calor, podem substituir as variedades atuais, como o pinot noir”.

Os produtores de vinho de todo o mundo já estão começando a mudar de variedade para se adaptar às mudanças climáticas. Na famosa cidade vinícola de Bordeaux, na França, alguns viticultores usam menos merlot em suas misturas, e no vale de Napa, na Califórnia, as uvas cabernet sauvignon estão caindo em desuso com o aumento da temperatura. O novo estudo pode ajudar os vinicultores a tomar essas decisões. Temperaturas mais altas estão criando colheitas mais confiáveis ​​para rieslings na Alemanha e vinhos espumantes na Inglaterra, mostrando que novas regiões vinícolas podem surgir.

Os pesquisadores dizem que essa estratégia é particularmente útil para regiões mais frias do vinho, como Alemanha, Nova Zelândia e noroeste do Pacífico dos EUA. À medida que essas áreas ficam mais quentes, os produtores de vinho podem mudar para variedades de uva que se saem melhor em temperaturas mais quentes, como merlot e grenache. À medida que a temperatura aumenta, essas regiões vinícolas podem até se expandir para o norte em regiões que não são quentes o suficiente para serem produzidas no momento.

Mas lugares que já são quentes, como as regiões vinícolas da Itália, Espanha e Austrália, não se saíram tão bem no estudo. Eles já estão limitados a plantar uvas que gostam de temperaturas mais altas e podem ficar muito quentes para suportar qualquer vinificação (adeus, shiraz).

Como a vinificação é uma tradição antiga, não será fácil para todos os vinicultores mudar quais variedades de uvas são usadas. A reformulação e replantação das vinhas pode ser cara, e os gostos culturais terão que se adaptar. Também pode haver desafios legais, pois muitos países têm regulamentos sobre produção e vendas de vinho. E, claro, a troca de variedades só é eficaz até certo ponto. Os pesquisadores descobriram que era menos eficaz em quantidades maiores de aquecimento global.

“Com 4 graus de aquecimento, o plantio de variedades específicas do clima reduziu as perdas de 85 para 58%, ou aproximadamente um terço”, disseram eles.

Então, em última análise, se você deseja salvar o vinho – ou toda a existência humana -, o mais importante ainda é eliminar rapidamente os gases de efeito estufa e limitar o aquecimento global.