Pode preparar o sofá, a TV, a pipoca e o bolso porque vem aí mais um serviço de streaming. A Disney anunciou nesta quinta-feira (13) que seu Disney+ chega ao Brasil em novembro.

A chegada do Disney+ à América Latina e ao Caribe cumpre o cronograma prometido no anúncio de lançamento, lá em abril de 2019 — na ocasião, foi dito que o serviço chegaria por aqui no fim de 2020.

Além de todo o catálogo da empresa do Mickey — e também de Pixar, Marvel, Lucasfilm e National Geographic –, o streaming também contará com lançamentos globais simultâneos. Isso quer dizer que você não vai mais precisar esperar ou recorrer a métodos obscuros para ver aquele filme ou série que já estreou no serviço nos EUA ou na Europa.

Preço

Ainda não há informações oficiais sobre preços locais. Nos EUA, a assinatura do Disney+ sai por US$ 7 por mês, algo em torno de R$ 37,50 na cotação de hoje.

No entanto, dá para esperar um valor menor que isso: nos EUA, o Disney+ é mais barato que o Netflix, que custa a partir de US$ 9 por mês lá e a partir de R$ 21,90 por mês aqui.

O site Disney Plus Brasil, em agosto, relatou que usuários brasileiros que moram nos EUA mas têm contas brasileiras na Play Store do Google conseguiam ver o preço em reais no app: R$ 28,99 por mês ou R$ 289,99 por ano.

É possível que a empresa repita a estratégia no Brasil. Foi o que fez, por exemplo, o Apple TV+, que custa R$ 9,90 por mês aqui, um valor bem menor que os US$ 5 por mês cobrados nos EUA.

Catálogo cheio de clássicos

O catálogo do Disney+ tem, como você poderia esperar, todos os filmes e séries produzidos pela empresa ao longo de décadas, como Peter Pan, A Pequena Sereia, A Bela e a Fera, Branca de Neve e os Sete Anões, Hannah Montana, Kim Possible, A Casa do Mickey Mouse… enfim, deu para entender, né?

Mas, com as compras feitas pela Disney ao longo das últimas décadas, o catálogo ficou bem mais recheado.

Então, tem todos os Star Wars, todos os filmes do Universo Cinematográfico da Marvel, animações da Pixar como Toy Story, Procurando Nemo e Up! Altas Aventuras, e um monte de documentários de natureza e muito mais do National Geographic.

O serviço também conta com filmes selecionados da 20th Century Studios, Hollywood Pictures, Searchlight Pictures e Touchstone Pictures.

Todos os conteúdos das propriedades da Disney serão exclusivos do Disney+, então quem tem Prime Video deve dar adeus a alguns filmes que estão na plataforma desde o ano passado.

Títulos originais sem ter que esperar

Outro atrativo do Disney+ são as produções originais. Já tivemos The Mandalorian com seu carismático Baby Yoda, a filmagem do espetáculo da Broadway Hamilton, o musical Black Is King da cantora Beyoncé, uma nova série de High School Musical e remakes live-action de clássicos da animação como A Dama e o Vagabundo.

E ainda tem mais coisa para ser lançada nos próximos anos, como as séries da Marvel Falcão e o Soldado Invernal, WandaVision e Loki. Uma vantagem de ter o Disney+ no Brasil será justamente poder ver tudo isso no mesmo dia do lançamento global, sem ter que esperar o licenciamento por outro serviço de streaming ou recorrer a outros meios para conseguir ver.

Apps e outros detalhes

Com relação à tecnologia, o Disney+ roda em PC e Mac dentro do navegador e também conta com aplicativos para Android, Android TV, Chromecast, iOS, tvOS+ da Apple TV, Fire TV da Amazon, smart TVs da Samsung e da LG, Roku, PlayStation 4, Xbox One e Windows 10 (ufa, terminou a lista!). Ou seja, provavelmente vai funcionar em algum aparelho que você tem aí na sua casa.

O serviço também oferece qualidade de imagem 4K, som Dolby Atmos, transmissões simultâneas em até quatro telas e downloads para ver offline em até dez smartphones ou tablets.

Por enquanto, isso é tudo que foi anunciado sobre o Disney+ no Brasil. Agora resta saber o preço que vamos pagar por mais um streaming. Para quem gosta das animações da empresa, de Star Wars ou da Marvel, parece um prato cheio.