O número de usuários do Twitter vem flutuando desde que a empresa anunciou que foi adquirida pelo bilionário Elon Musk.

Pessoas públicas que mantêm perfis na rede social notaram que a contagem de seguidores caiu (ou subiu) repentinamente após a notícia. Segundo a NBC News, o ex-presidente americano Barack Obama, por exemplo, perdeu mais de 300 mil seguidores após o anúncio do negócio.

Outro que notou a variação foi o ator Mark Hamill – o Luke Skywalker da saga Star Wars –, que perdeu mais de 8 mil seguidores em apenas duas horas. Ele até perguntou na rede social se ele teria dito algo errado, conforme o tweet abaixo:

A resposta do Twitter

De acordo com o que o Twitter respondeu ao site TechCrunch, o movimento é orgânico, sendo resultado do aumento acima da média na criação e desativação de contas na plataforma. A empresa do passarinho ressalta que essas flutuações não foram causadas por bots ou ações da própria rede social.

Entretanto, o Twitter disse que continua a tomar medidas contra contas que violam a política de spam — o que impacta no número de usuários — e que continuará a investigar essas alterações na contagem de seguidores.

Durante o anúncio da aquisição, Musk fez questão de deixar claro que a “liberdade de expressão” será o futuro da rede social. Isso pode indicar que a plataforma deve rever algumas políticas e banimentos, como é o caso de Donald Trump — mesmo que o ex-presidente não queira mais voltar ao Twitter.

A flutuação na contagem de seguidores é vista como resultado daqueles usuários que decidiram excluir as contas como uma forma de protesto contra a venda da rede social. Porém, a aquisição por Musk também tem atraído usuários mais conservadores. Alguns políticos americanos de direita viram o número de seguidores saltar. É o caso do republicando Marjorie Taylor Greene, que já recebeu mais de 120 mil seguidores desde o anúncio da compra do Twitter.

O mesmo movimento tem sido sentido no Brasil, principalmente em perfis bolsonaristas. Segundo destacou a Folha de S. Paulo, o presidente Jair Bolsonaro, por exemplo, conquistou mais de 61 mil seguidores em apenas 24 horas.

O número foi apontado pelo Christopher Bouzy, americano que é criador do Bot Sentinel — uma página do Twitter que sinaliza presença de robôs ou contas fake na rede social. Segundo Bouzy, cerca de 58% dos novos usuários de Bolsonaro correspondem a perfis criados nos últimos dois dias.

Nesta quarta-feira (27), Bouzy postou mais um tweet em que diz que Bolsonaro ganhou mais de 36 mil novos seguidores desde então.

O Twitter não forneceu um número exato de novas contas ou usuários que foram desativados nos últimos dias.