A coluna Sunday Review do New York Times jogou luz sobre o preconceito que pessoas com mais de 50 anos sofrem no mercado de trabalho. Em um dos trechos, conta um episódio que se passou com JK Scheinberg, importante engenheiro da Apple que liderou a mudança para processadores da Intel no Mac OS.

• Por que a Apple teve que trocar a arquitetura PowerPC por processadores da Intel
• MacBook Pro deve ganhar leitor biométrico e faixa OLED sensível ao toque no teclado

Depois de se aposentar em 2008, aos 54 anos, ele percebeu que se encaixava bem numa vaga na Genius Bar de uma Apple Store, mesmo sendo duas vezes mais velho do que as pessoas que fizeram a entrevista. “Na saída, os três entrevistadores me disseram que ‘entrariam em contato’ “, contou Scheinberg. “Eu nunca tive respostas.”

Embora os consumidores da Apple tenham perdido a chance de receber suporte técnico de Scheinberg, podemos ficar um pouco mais tranquilos ao saber que ele queria o emprego mais como um hobby.

A coluna aborda ainda a questão da diversidade de idades no mercado de trabalho e mostra que as mulheres começam a sofrer essa discriminação ainda mais cedo, aos 32 anos, quando passam a não receber promoções, causando uma diferença salarial ainda maior.

Uma arquiteta da informação que conseguiu um emprego numa startup aos 55 anos descreve como era alienante a diferença de idade entre ela e seus companheiros. Ela pediu demissão depois que seu chefe disse que ela “soava como a mãe dele” durante uma discussão.

A discriminação de idade tem consequências piores, especialmente nos EUA, onde muitos idosos não conseguem se manter apenas com a aposentadoria. Como consertamos esse problema? Deixando nossos preconceitos de lado.

[NYTimes via 9to5Mac]

Foto por Alper Çuğun/Flickr