Atividade física regular pode manter o esperma dos homens em forma, sugere um novo estudo.

A pesquisa foi publicada no mês passado na revista Human Reproduction. O estudo analisou uma amostragem de mais de 700 homens saudáveis, relativamente jovens, residentes na China, que se inscreveram para serem potenciais doadores de esperma.

Para além das milhares de amostras de esperma doadas coletivamente, os homens também auto-relataram seu nível típico semanal de exercício.

Os 25% dos homens que dissseram fazer mais atividades físicas – incluindo exercícios leves como trabalhos domésticos, bem como exercícios mais pesados – tinham maior probabilidade de ter o esperma ágil e rápido, em comparação com o grupo que relatou se exercitar menos.

Essa conclusão foi feita depois de contabilizar outros fatores como idade e, segundo os autores, há uma diferença média de 16% na movimentação dos espermatozóides entre os grupos.

Esses números também são verdadeiros para os homens que disseram se exercitar se forma moderada ou pesada.

A movimentação dos espermatozóides é um dos melhores marcadores da qualidade do esperma, então não é um absurdo dizer que o exercício regular pode aumentar a fertilidade.

“O exercício regular pode melhorar os parâmetros de qualidade do sêmen entre homens saudáveis e não-inférteis”, disse à Reuters a co-autora do estudo Yi-Xin Wang, pesquisadora da Faculdade de Medicina de Tongji da Universidade de Ciência e Tecnologia de Huazhong e da Escola de Saúde Pública de T.H. Chan.

Dito isso, há algumas ressalvas para o estudo. Primeiro, o estudo baseia-se no auto-relato das pessoas sobre seus hábitos de exercício, que nunca são perfeitos. Além disso, o estudo analisou as pessoas em um único momento de suas vida e não pode provar que exercício física definitivamente ajuda os espermatozóides a se manterem ágeis com o passar do tempo.

Talvez os homens que fazem muito exercício sejam diferentes em outros aspectos importantes que melhorariam a saúde dos seus espermatozóides, por exemplo. Em outras medidas que ajudam a definir a qualidade do esperma, como a contagem geral de espermatozóides, o exercício física não mostrou impactos significativos.

Curiosamente, existem algumas evidências de que o exercício intenso, a nível desportivo, pode ter um efeito negativo no esperma. Porém, outros estudos descobriram que um nível modesto de exercício pode ajudar na saúde reprodutiva dos homens em geral, e sabemos que o exercício regular ajudará o seu corpo e cérebro a manterem-se saudáveis durante toda a sua vida.

Portanto, sinta-se à vontade para tomar isto como motivação extra para se exercitar em 2020.