Há alguns meses, o Facebook começou a liberar o novo design do site para os usuários, mas até então você tinha a opção voltar para o layout antigo. Pois quem ainda não se acostumou com a versão atualizada na web, agora vem a má notícia: goste ou não, ela será obrigatória para todos a partir de setembro.

Conforme observa o Engadget, a rede social já está avisando os usuários sobre a mudança forçada para o design mais recente, alertando que “a experiência do Facebook clássico não estará mais disponível a partir de setembro”. No mesmo aviso, a empresa tem incluído uma caixa de diálogo perguntando se os usuários que trocaram para o modelo mais antigo o preferem por causa dos recursos ausentes na versão atual.



O novo layout do Facebook ostenta colunas mais espaçosas – muita gente tem feito comparações com com a interface do Twitter, mas com guias extras para grupos, vídeos e outros conteúdos. No entanto, o novo design é basicamente uma adaptação do aplicativo de celular do Facebook, só que para desktop. Além disso, a companhia afirma que o visual garante um desempenho mais rápido nos navegadores web.

Novo layout do Facebook. Crédito: Facebook

Captura de tela: Facebook

O redesenho do Facebook também vem com funções inéditas – a principal delas é um modo escuro integrado. Esse recurso lembra um pouco o modo escuro do Twitter, mas em vez de um fundo azul escuro, o Facebook optou por um cinza escuro mais tradicional para ajudar a reduzir o brilho e aumentar o contraste. Pode parecer uma escolha estranha, já que a rede social de Mark Zuckerberg dificilmente fugiu do padrão das cores azul e branco. Eu acho uma ótima adição para quem não é fã do modo claro tradicional.

Anunciado originalmente durante a conferência anual F8, em abril de 2019, o novo design do Facebook passou a ser disponibilizado em março deste ano para uma parcela dos usuários, e liberado para todos desde maio. E mesmo que algumas pessoas possam ter dificuldade em se adaptar à nova interface minimalista, o novo visual do site é talvez uma das mudanças menos ofensivas que a empresa realizou nos últimos anos.