Ciência

Falta de sono está relacionada a futuros sintomas depressivos

Segundo estudo, dormir menos de 5 horas por noite durante anos pode aumentar em até duas vezes a chance de apresentar sintomas depressivos
Imagem: cottonbro studio/ Pexels/ Reprodução

Todo mundo sabe que dormir menos de 5 horas por noite prejudica o descanso completo do organismo. Mas agora, um estudo publicado na revista Translational Psychiatry revelou que fazer isso frequentemente pode aumentar o risco de desenvolver sintomas depressivos.

Contudo, há uma relação recíproca entre a duração do sono e a depressão. Em geral, um pode causar o outro e vice-versa. 

“Temos esse cenário de ‘o que veio primeiro, o ovo ou a galinha?’. Frequentemente ocorrem juntos, mas ainda não está resolvido em sua maioria qual vem primeiro”, comentou Odessa Hamilton, autora da pesquisa.

No entanto, usando a suscetibilidade genética à doença, o estudo determinou que o sono provavelmente precede os sintomas depressivos.

Entenda a pesquisa

No estudo, os pesquisadores analisaram dados de mais de sete mil pessoas com uma idade média de 65 anos. Entre eles, a maioria dormia sete horas por noite, dentro da média  recomendada para adultos.

Ainda assim, havia cerca de 10% dos participantes que dormiam menos de cinco horas por noite. Quando olharam para aqueles que tinham sintomas depressivos no início do estudo, a média era de 8,75%.

Tanto a duração do sono quanto a depressão são parcialmente hereditárias de uma geração para a próxima. 

Por isso, além da análise observacional, eles também consideraram predisposições genéticas relacionadas a uma maior probabilidade de desenvolver depressão e de dormir pouco ou muito.

De primeira, os pesquisadores perceberam que pessoas com uma predisposição genética mais forte para dormir pouco tinham o dobro de chances de desenvolver sintomas depressivos. Isso tendia a ocorrer ao longo de 4 a 12 anos de sono ruim.

Depois, eles testaram o inverso. Mas pessoas com uma maior predisposição genética para a depressão tinham apenas um terço (0,3) de probabilidade aumentada de dormir pouco.

Dormir demais também pode não ser bom

Os pesquisadores também encontraram uma ligação entre dormir muito e desenvolver sintomas depressivos. 

Em geral, participantes que dormiam mais de nove horas apresentaram 1,5 vezes mais chances de desenvolver sintomas depressivos do que aqueles que dormiam a média recomendada, de sete horas. 

Dessa forma, os autores acreditam que o estudo oferece bases bases importantes para futuras investigações sobre a interseção entre genética, sono e sintomas depressivos.

Assine a newsletter do Gizmodo

Bárbara Giovani

Bárbara Giovani

Jornalista de ciência que também ama música e cinema. Já publicou na Agência Bori e participa do podcast Prato de Ciência.

fique por dentro
das novidades giz Inscreva-se agora para receber em primeira mão todas as notícias sobre tecnologia, ciência e cultura, reviews e comparativos exclusivos de produtos, além de descontos imperdíveis em ofertas exclusivas