A imagem acima é bonita, mas a única forma de ver esta incrível combinação de poeira e gás é na versão completa, logo abaixo. Que maravilha, né?

A imagem, que usa dados do telescópio Hubble e cores atribuídas digitalmente, mostra a Nebulosa da Águia cercada por – e entrelaçada com – pilares de poeira, moldados lentamente pela luz e vento cósmico.

A nebulosa tinha dez anos-luz de altura (ou 95 trilhões de quilômetros) e emitia radiação incrivelmente quente. Trata-se de uma grande concha de gás e poeira que criou um buraco onde se formavam jovens estrelas.

A Nebulosa da Águia foi descoberta em 1745, e ficou famosa após uma bela fotografia do Hubble mostrando os “Pilares da Criação“, que eram um enorme berço de estrelas. Parece justo que elas nascessem em locais cósmicos épicos como este.

Mas todos os pilares – inclusive este! – foram destruídos por uma supernova que aconteceu há 6.000 anos. Como estamos a 7.000 anos-luz da nebulosa, e a luz demora até chegar aos nossos telescópios, vemos apenas uma imagem do passado. Descanse em paz, nebulosa. [Astronomy Photo of the Day]

fairypillar_hubble_900