O Google anunciou que seus funcionários continuarão a trabalhar de casa até pelo menos julho de 2021, em resposta à pandemia de COVID-19. A companhia é a primeira grande empresa de tecnologia a confirmar a extensão do prazo para que seus trabalhadores voltem aos escritórios.

De acordo com uma reportagem do Wall Street Journal, a medida afeta aproximadamente 200 mil funcionários contratados e terceirizados que estão sob o guarda-chuva da Alphabet, empresa que controle o Google e outras subsidiárias.

A decisão foi tomada pelo CEO Sundar Pichai durante uma reunião com outros executivos e se aplica à maioria dos grandes escritórios da companhia, incluindo nos Estados Unidos, Reino Unido, Índia e Brasil. Anteriormente, a previsão para o retorno era em janeiro de 2021.

Alguns escritórios da companhia reabriram parcialmente em países em que a pandemia está controlada, como Austrália, Grécia e Tailândia, segundo o WSJ.

Outras empresas de tecnologia como Twitter e Facebook esperam que parte de sua força de trabalho passe a ser remota permanentemente.

Já a Microsoft tem planos separados para diferentes cidades e pelo menos em Nova York espera que o retorno aconteça neste trimestre. A Apple também espera que seus trabalhadores possam voltar a trabalhar presencialmente, mas já chegou a abrir e fechar novamente algumas de suas lojas nos EUA.