Tem coisa pior que gente sem-noção que conversa alto pra cacete no celular? São terríveis. TERRÍVEIS! É por isso que Lakeysha Beard vai além do terrível: durante as 16 horas de uma viagem de trem nos EUA, ela não calou a boca. Ela passou dezesseis horas falando alto ao celular. Dentro de um trem, onde você não pode simplesmente sair quando quiser. E em um vagão silencioso, onde é proibido usar celular – quanto mais falar alto nele.

Os trens da Amtrak, empresa que opera muitas ferrovias nos EUA, têm tomada próxima a cada assento: ou seja, dá pra ligar seu laptop e trabalhar a viagem inteira, por exemplo. Ou ligar seu carregador no celular e incomodar todo mundo por horas a fio.

Diversos passageiros pediram pra mulher parar de berrar, a plenos pulmões, no celular que a mão gorda dela segurava. Pediram pelo amor de Deus, pra ela ficar quieta de uma vez! Mas não adiantou: ela ignorou todo mundo. Então um passageiro se estressou de vez e juntou coragem pra enfrentar a mulher. Aí a Lakeysha “ficou agressiva”.

Mas a história teve um final feliz! Elas nunca têm final feliz: você tem que escutar o infeliz gritando no celular (ou ouvindo música alta) até chegar no seu ponto de ônibus/trem/metrô, não há o que fazer. Mas neste caso, os condutores pararam o trem em Oregon, onde membros da polícia de Salem – e sinceramente, heróis – esperavam para retirar a Lakeysha do trem. Depois, ela disse que se sentiu “desrespeitada”. Liga pra alguém pra contar sua história, então… Mas fora do trem, que seguiu viagem sem o incômodo.

Lakeysha foi acusada de crime hediondo contra a humanidade, e foi condenada a prisão perpétua em um planeta distante, onde não há nem nunca haverá sinal de celular. Ou foi só uma acusação de conduta inadequada. É que gente assim me irrita profundamente. [Komonews e KATU]