Após o Parler perder popularidade entre apoiadores de Donald Trump logo após a invasão ao Congresso dos Estados Unidos em janeiro, muitos usuários debandaram para outras plataformas. Eis que Jason Miller, ex-conselheiro de Trump, lançou no dia 4 de julho uma nova rede social chamada Gettr. Só que, no dia do lançamento, o site foi hackeado.

O hacker tinha como alvo os usuários verificados mais proeminentes da plataforma, que por um acaso incluíam vários aliados do ex-presidente Trump: Mike Pompeo, Steve Bannon, Marjorie Taylor-Greene, Harlan Hill e o próprio Miller — todos tiveram suas contas comprometidas no último domingo (4). Segundo o Business Insider, o hacker editou perfis dos usuários para incluir uma mensagem clamando a autoria da invasão e pedindo “libertem a Palestina”.

Embora a plataforma estivesse no ar desde pelo menos 2 de julho, o lançamento oficial só aconteceu no dia 4 de julho. A mídia social se autodenomina como uma “rede da liberdade” e um “mercado de ideias”.

Em entrevista ao Business Insider, o hacker, conhecido pelo nome de usuário @JubaBaghdad, não divulgou seu método para invadir as contas em questão. Contudo, ele declarou ter se infiltrado no site por cerca de 20 minutos “apenas para se divertir”, e que foi fácil expor falhas de segurança na plataforma. “Eles não devem publicar o site antes de se certificar de que tudo, ou pelo menos quase tudo, esteja seguro”, disse.

A Gettr corrigiu a falha de segurança na segunda-feira (5). Porém, @JubaBaghdad acrescentou que ainda era capaz de extrair dados do usuário de contas individuais sem se depara com grandes problemas, incluindo endereços de e-mail e datas de nascimento.

Ao Insider, Jason Miller, CEO da Gettr, destacou a violação de segurança do hacker como um elogio à plataforma. “Você sabe que está agitando as coisas quando eles vêm atrás de você. O problema foi detectado e selado em questão de minutos, e tudo o que o invasor conseguiu fazer foi alterar alguns nomes de usuário. A situação foi corrigida e já tivemos mais de meio milhão de usuários inscritos em nossa nova e empolgante plataforma”, disse.

Assine a newsletter do Gizmodo

O Gizmodo já havia relatado anteriormente que a Gettr também enfrenta uma questão relacionada à moderação conteúdo. Por se vender como uma plataforma totalmente livre para que os usuários postem o que quiserem, o site foi inundado com posts pornográficos ou de caráter questionável. Para se ter uma ideia, tem banco de fotos de velhos vestindo apenas fraldas. Pois é.

Curiosamente, até a publicação desta notícia, Donald Trump ainda não se cadastrou na Gettr.