Os rumores em torno do tal projeto Yeti, do Google, acabam de ganhar mais tração. Fontes ouvidas pelo Kotaku revelaram que a empresa planeja competir com Xbox e PlayStation e lançar a sua própria plataforma de games. Nela, no entanto, os gamers jogariam por streaming, em vez de ter que comprar um hardware caro.

• O tão falado projeto Yeti, do Google, pode ser bem importante para o streaming de games

A plataforma, que até agora recebe o codinome Yeti, deixaria o trabalho pesado de renderização de gráficos para computadores potentes em algum lugar, o que permitiria que mesmo máquinas mais modestas pudessem rodar jogos tranquilamente, como acontece com o GeForce NOW. Uma das fontes consultadas pelo Kotaku colocou de forma simples: imagine jogar The Witcher 3 dentro de uma aba no Chrome.

De acordo com as cinco fontes ouvidas pelo Kotaku — todas elas ou tendo recebido informações sobre os planos em primeira mão ou indiretamente —, a abordagem em torno do projeto teria três frentes: uma espécie de plataforma de streaming, algum hardware e uma tentativa de contratar desenvolvedores, seja por meio de um recrutamento agressivo ou de grandes aquisições de outras empresas.

Segundo essas fontes, o Google se encontrou com diversas empresas grandes de games durante a Game Developers Conference deste ano, realizada em março, para medir o interesse em sua plataforma de streaming. Há algumas semanas, a companhia também esteve em reuniões durante a E3, em Los Angeles. De acordo com o Kotaku, o objetivo seria não apenas atrair desenvolvedores, como também comprar estúdios inteiros de desenvolvimento de jogos.

O desenvolvimento de uma plataforma como essa, contanto que a um preço acessível, caso o modelo de monetização seja de assinatura, como o GeForce NOW, poderia ser um divisor de águas na indústria dos games, derrubando as barreiras de hardware que impedem muita gente de jogar e aumentando consideravelmente a base de usuários mesmo de jogos já amplamente jogados, como o Call of Duty.

Ainda assim, o ceticismo corre por aí. O Kotaku entrou em contato com desenvolvedores, e alguns deles se mostraram receosos com o histórico do Google de começar e abandonar iniciativas. E, bom, exemplos são o que não faltam de empresas que tentaram desafiar a hegemonia de Microsoft, Sony e Nintendo (e fracassaram).

[Kotaku]