Todos esses “sósias” de celebridades que você se deparou ao ver sua timeline no Twitter nesses últimos dias vêm da última obsessão coletiva da internet: Gradient, um app de edição lançado há uma semana que se tornou viral após algumas pessoas promoverem essas imagens transformadas nas redes sociais. Segundo a loja Google Play, ele já possui mais de 1 milhão de downloads.

A coisa toda parece um déjà vu do início do ano, quando todo mundo repentinamente estava usando a tecnologia de inteligência artificial do FaceApp para mostrar como você ficaria mais velho. Diferente do FaceApp, o Gradient não exige que você ceda os direitos sobre seu rosto, porém ele tem coisas bem obscuras. Especialmente no que diz respeito à sua conta bancária.

Uma coisa que o Gradient faz bem foi expor Elizabeth Holmes, fundadora da Theranos (uma startup que prometia análises médicas com apenas uma gota de sangue e que, posteriormente, fechou), mostrando quem realmente ela era:

Quero dizer, você já viu alguma foto de Holmes e Mark Zuckerberg juntos num mesmo local? Estava tudo na nossa cara esse tempo todo, pessoal! O maior golpe da história americana, e nós nunca suspeitamos de nada…

Voltando às questões obscuras, antes de você enviar uma foto para o Gradient, o aplicativo exige que você “deixe as limitações de lado” ao comprar uma assinatura de US$ 5 por semana ou US$ 20 por mês para updates semanais (pelo menos, é isso o que promete o app em sua descrição). É claro, se você quer ser como todos os jovens online e conferir com qual celebridade você se parece, há um teste gratuito de três dias. Ou seja, desde que você garanta as informações do seu cartão de crédito primeiro, que serão cobradas por uma assinatura de renovação automática assim que a avaliação gratuita terminar.

Já sei o que você pode estar pensando: “Vou desinstalar o aplicativo antes disso”. Ai ai ai. Mesmo se você desinstalar o Gradient, a assinatura ainda estará vinculada à sua conta do Google Play ou Apple ID. O cancelamento não é exatamente complicado — basta acessar as configurações da sua conta na loja de aplicativos e procurar detalhes no item “Assinaturas” — mas é uma etapa extra que muitos usuários não pensariam em fazer até receberem a primeira fatura. Além disso, cancele sua assinatura pelo menos 24 horas antes do término. Caso contrário, conforme a descrição do Gradient na loja de aplicativos, você será cobrado pelo próximo período.

E enquanto este tipo de “letra fina” ainda seja grosseira e escandalosa, o desenvolvedor Ticket to the Moon Inc parece ter aprendido pelo menos uma coisa com o escândalo do FaceApp. O aplicativo não está explorando e vendendo seus dados de rosto, como a política de privacidade da Gradient descreve na primeira página:

Não coletamos nem armazenamos outros dados (incluindo dados pessoais), a menos que você os forneça voluntariamente. Quando fornecidos voluntariamente, não distribuiremos ou compartilharemos suas informações com terceiros sem o seu consentimento.

No entanto, outras informações, como cookies e dados de uso, ainda são praxe para compartilhamento para terceiros ou afiliadas da empresa. O sucesso repentino do Gradient também suscitou algumas suspeitas sobre seu desenvolvedor, uma empresa aparentemente criada este ano sem outros títulos que compartilham um endereço idêntico a uma empresa de investimentos chinesa chamada Meihua Capital Partners. Nem a Ticket to the Moon Inc nem a Meihua Capital Partners responderam imediatamente às perguntas do Gizmodo.