Além de matar 125 milhões de pessoas, uma guerra nuclear entre a Índia e o Paquistão provocaria fome em massa em todo o mundo devido aos impactos climáticos que se seguiriam, de acordo com um novo estudo.

Como se precisássemos nos lembrar dos horrores da guerra nuclear, uma nova pesquisa publicada nesta quarta-feira (2) na Science Advances apresenta evidências que mostram que um conflito nuclear entre duas potências, especificamente a Índia e o Paquistão, infligiria uma catástrofe regional e global.

A nova pesquisa, que envolveu especialistas da Universidade do Colorado, Boulder, Universidade Rutgers-New Brunswick, do Centro Nacional de Pesquisas Atmosféricas dos EUA, entre outras instituições, ofereceu algumas estimativas alarmantes, mostrando que uma guerra entre as duas nações causaria entre 50 milhões e 125 milhões de mortes nas horas e dias após um conflito nuclear.

O que a pesquisa também mostra, no entanto, é como os impactos climáticos resultantes, produzidos principalmente pela fumaça dos incêndios, causariam problemas devastadores nas colheitas e o colapso de ecossistemas vitais. Esse inverno nuclear iria causar fome mundial, levando a “fatalidades colaterais”, nas palavras dos pesquisadores.

Nenhuma estimativa foi fornecida sobre quantas pessoas seriam afetadas ou morreriam devido à fome, mas provavelmente seria um número significativo, uma vez que o inverno nuclear subsequente duraria pelo menos uma década.

O novo artigo mostra que uma guerra nuclear, mesmo que envolva potências nucleares menores, teria consequências globais. O estudo menciona as pesquisas feitas em 2017, mostrando que mesmo os ataques nucleares ” limitados” causariam o caos climático e um estudo de 2018 buscando determinar o “melhor cenário” para a guerra nuclear, ou seja, o menor número de armas nucleares necessárias para manter a dissuasão.

Alan Robock, coautor do novo artigo e pesquisador do Departamento de Ciências Ambientais da Universidade Rutgers – New Brunswick, juntamente com seus colegas, chegou a esses resultados simulando um cenário em que a guerra nuclear eclodiria em 2025 entre a Índia e o Paquistão. Atualmente, essas nações estão envolvidas em uma amarga disputa pelo território da Caxemira.

“Avaliamos os possíveis impactos climáticos de uma guerra entre a Índia e o Paquistão em um futuro próximo, com um número maior de armas, armas e alvos maiores, em comparação com nossa análise de uma década atrás”, escreveu Robock em um e-mail ao Gizmodo. De fato, o novo artigo é uma atualização de uma pesquisa semelhante realizada em 2010 por Robock e Owen Toon, professor do Departamento de Ciências Atmosféricas e Oceânicas da Universidade do Colorado em Boulder – pesquisa que em grande parte chegou às mesmas conclusões.

No cenário imaginado, os pesquisadores consideraram o uso de 400 a 500 armas nucleares, que é o arsenal previsto para a Índia e o Paquistão em cerca de seis anos. As armas nucleares usadas na simulação variaram de bombas do tamanho do ataque a Hiroshima (15 quilotons de TNT) a armas modernas capazes de liberar algumas centenas de quilotons de energia explosiva. O cenário viu a Índia implantar 100 ogivas nucleares enquanto o Paquistão implantou 150.

“Uma guerra entre duas novas potências nucleares ‘menores’ do outro lado do mundo agora tem o potencial de mergulhar a Terra em um clima da era do gelo. Seria uma mudança climática instantânea”.

Uma “catástrofe regional ocorreria se a Índia e o Paquistão participassem de uma guerra nuclear em larga escala com seus arsenais em expansão”, escreveram os autores do estudo. A troca nuclear simulada resultaria em 50 a 125 milhões de mortes, o que ocorreria quase instantaneamente devido aos efeitos diretos e imediatos das bombas. Como os pesquisadores observaram no estudo:

A Índia teria duas a três vezes mais mortes e vítimas do que o Paquistão porque, em nosso cenário, o Paquistão usa mais armas que a Índia e porque a Índia tem uma população muito maior e cidades mais densamente povoadas. No entanto, como porcentagem da população urbana, as perdas do Paquistão seriam cerca de duas vezes as da Índia. Em geral…as fatalidades e casualidade aumentariam rapidamente até a 250ª explosão devido à alta população da Índia, enquanto a taxa no Paquistão seria muito menor, mesmo na 50ª explosão.

Para Robock, a maior surpresa dessas descobertas foi como uma “guerra entre duas novas potências nucleares ‘menores’ do outro lado do mundo agora tem o potencial de mergulhar a Terra em um clima da era do gelo”, disse ele ao Gizmodo. “Seria uma mudança climática instantânea”.

Atualmente, os arsenais dos EUA e da Rússia representam cerca de 93% das estimadas 13.900 armas nucleares do planeta, segundo o jornal.

Os incêndios causados ​​pela troca nuclear produziriam algo entre 16 e 36 milhões de toneladas de fuligem – também conhecido como carbono preto – na atmosfera superior da Terra. Dentro de semanas, essa fuligem proliferaria em todo o mundo. De acordo com as estimativas dos pesquisadores, a luz solar diminuiria em um fator de 20% a 35%, o que por sua vez esfriaria o solo em 2 a 3 graus Celsius e reduziria a precipitação em 15% a 30%, dependendo da temperatura da região.

“Ameaçar usar armas nucleares para impedir [uma guerra] é ameaçar ser um homem-bomba”.

Isso seria muito ruim para a vegetação do mundo, seja terrestre ou aquática. A fauna diminuiria de 15% a 30% nas terras e de 5% a 15% nos oceanos. Este inverno nuclear duraria pelo menos 10 anos, segundo os pesquisadores. O artigo resume da seguinte forma:

Todas as perturbações climáticas de curto prazo, com temperaturas declinando para valores não vistos na Terra desde meados da última Era Glacial, seriam desencadeadas pela fumaça das cidades em chamas, um desastre global que ameaçaria a produção de alimentos em todo o mundo e causaria fome em massa, além de grave desequilíbrio dos ecossistemas naturais. Para compor a devastação provocada em seus próprios países, as decisões dos líderes militares e políticos da Índia e do Paquistão de usar armas nucleares podem afetar seriamente todas as outras nações da Terra.

Um fato interessante e relevante é que o Prêmio Nobel da Paz de 2017 foi concedido à Campanha Internacional para Abolir Armas Nucleares (ICAN). Como Robock explicou ao Gizmodo, o ICAN “foi promulgado em parte com base em nossos resultados anteriores”. Sua esperança é que as nove nações nucleares do mundo “assinem e ratifiquem o Tratado das Nações Unidas sobre a Proibição de Armas Nucleares”.

Os resultados do novo estudo “reforçam a necessidade de abolir as armas nucleares”, disse Robock. “Eles são instrumentos de genocídio em massa. E o mito da dissuasão persiste. Mas se as armas nucleares fossem usadas, elas teriam um grande impacto, através das mudanças climáticas, no país que as utilizar”, afirmou.

“Ameaçar usar armas nucleares para impedir [uma guerra] é ameaçar ser um homem-bomba”, ele acrescentou.