Parece que os voos de helicópteros fora da Terra estão começando a se tornar mais comuns, já que o Ingenuity levantou voo pela quarta vez em Marte nesta sexta-feira (30). E a cada tentativa, o helicóptero experimental da NASA amplia seus limites, já que ele viajou mais longe e com quase o dobro de sua velocidade anterior.

Cada voo foi pensado a partir da experiência dos voos anteriores, uma vez que a nave tentou ir mais longe, um pouco mais alto e mais rápido a cad movimento. Ele até tirou selfie em que seu parceiro, o rover Perseverance, aparece ao fundo.

Originalmente programado para a última quinta-feira (29), o voo de número quatro não aconteceu na data prevista porque o helicóptero não conseguiu entrar no modo de voo, o que, como você pode deduzir, é uma etapa crucial para que a máquina realmente decole.

O problema do modo de voo é a mesma falha que era uma preocupação antes do primeiro voo do Ingenuity: cerca de 15% do tempo que o helicóptero tenta voar, o cronômetro de vigilância do Ingenuity expira e o voo não é concluído. Os cronômetros são um software comum em máquinas para garantir que qualquer conjunto de sequências seja executado de acordo com o plano original.

Para o quarto voo do Ingenuity, o objetivo era subir até 4,8 metros do solo — uma altitude que atingiu pela primeira vez em seu segundo voo e uma altura que o engenheiro-chefe Bob Balaram descreveu como o “ponto ideal” do helicóptero. Ao chegar nessa altura, o helicóptero então levantaria voo a 132 metros e voaria a 12 km/h para obter imagens em preto e branco do solo. O helicóptero, por fim, iria pairar sobre o céu marciano e fotografar o Planeta Vermelho com sua câmera colorida, antes de retornar ao seu ponto de partida. Isso dobraria a distância total tentada do Ingenuity e aumentaria seu tempo total no ar, de cerca de 80 segundos para quase dois minutos.

Em uma coletiva de imprensa da NASA realizada nesta sexta antes do voo, a vice-gerente de projeto do Perseverance, Jennifer Trosper, confirmou que a equipe do rover tentará coletar o áudio do voo número quatro. A equipe também anunciou que, caso o quinto e último voo planejado seja bem-sucedido, o Ingenuity passará para uma fase de demonstração que envolverá manobras mais complexas e reconhecimento aéreo de regiões marcianas além dos arredores atuais do helicóptero.

Já um sucesso, o projeto paralelo Ingenuity da missão Perseverance encorajou a NASA a pensar ainda maior. Sem dúvida, as futuras missões a Marte incluirão naves que podem navegar mais facilmente em um planeta dominado por pedras, penhascos e um vulcão que tem três vezes a altura do Monte Everest.

“De milhões de milhares de distância, o Ingenuity checou todas as caixas técnicas que tínhamos na NASA sobre a possibilidade de voo motorizado e controlado no Planeta Vermelho”, disse Lori Glaze, diretora da Divisão de Ciência Planetária da NASA, em comunicado à imprensa. ”As futuras missões de exploração em Marte agora podem considerar com segurança a capacidade adicional que uma exploração aérea pode trazer para uma missão científica”.

Assine a newsletter do Gizmodo

A equipe por trás do Ingenuity está tranquila sobre o destino do helicóptero. Por ser apenas uma nave de teste, não há planos para uma operação de longo prazo, e provavelmente vai parar de funcionar em breve. Não se sabe se isso vai acontecer por meio das baterias, que devem se descarregar logo, ou por uma queda brusca. O mais provável é que aconteça esse segundo cenário, segundo os cientistas.