Na semana passada, o Minor Planet Center anunciou que astrônomos haviam tentado descobrir o segundo objeto interestelar já registrado – e agora temos uma foto dele.

O astrônomo amador Gennady Borisov descobriu o objeto, provisoriamente chamado de cometa C/2019 Q4 (Borisov), em 30 de agosto. Observações posteriores revelaram que o objeto tem uma órbita hiperbólica, o que significa que ele estava viajando com velocidade suficiente para escapar da gravidade do sistema solar – e implicando que não se originou neste sistema solar. É uma descoberta emocionante.

“O que é empolgante cientificamente é que podemos fazer uma comparação, como este é diferente de ‘Oumuamua”, o primeiro objeto interestelar, disse o diretor do MPC Matthew Holman ao Gizmodo na semana passada.

Astrônomos que operam o instrumento Gemini Spectrograph Multi-Object no telescópio Gemini North, no Havaí, capturaram a imagem na noite de 10 de setembro. Os astrônomos se apressaram em capturar a imagem e, depois de ouvir os detalhes finais às 3:00 da manhã, horário local, eles observaram o objeto menos de duas horas depois, de acordo com um comunicado de imprensa.

Se as observações de acompanhamento confirmarem o status interestelar do C/2019 Q4 (Borisov), este seria o segundo objeto interestelar registrado após ‘Oumuamua, que foi descoberto em 2017. Os pesquisadores já começaram a pensar em como os dois objetos diferem. A imagem do Gemini North mostra detalhes de um coma (nuvem de poeira e gás que circunda o núcleo de um cometa) difuso e uma cauda, ​​duas características de cometas não observadas em ‘Oumuamua.

Atualmente, o novo objeto está bem próximo do Sol – ele aparece baixo no céu antes do nascer do sol, e o crepúsculo cria condições difíceis de observá-lo. Felizmente, Borisov o capturou em sua abordagem e os cientistas serão capazes de visualizar melhor o objeto em sua jornada externa, de acordo com Holman. Mais telescópios apontando para o objeto confirmarão se ele é realmente deste sistema solar e revelarão mais sobre sua origem.