A última vez que os astronautas caminharam na Lua foi em dezembro de 1972, décadas antes da existência de câmeras de vídeo de alta definição. Eles precisaram usar filmes analógicos granulados de baixa resolução para gravar suas aventuras. O registro dura até hoje, mas é difícil se sentir na Lua com essas imagens. Mas técnicas modernas de inteligência artificial permitem ampliar a resolução das imagens clássicas da NASA e aumentar a taxa de quadros para fazer você sentir que está em nosso satélite natural.

O canal do YouTube Dutchsteammachine postou recentemente imagens da missão Apollo 16 que não se parecem com nada que você já viu antes — a menos, é claro, que você tenha sido um astronauta da Apollo. Originalmente capturadas em filme de 16 milímetros a apenas 12 quadros por segundo, as imagens do rover lunar em direção à Estação 4, localizada na borda da cratera Shorty, foram aumentadas para uma resolução de 4K e interpoladas para 60 quadros por segundo usando a plataforma de inteligência artificial DAIN.

Esta também é uma demonstração de como a suavização de movimento, quando feita corretamente, pode mudar drasticamente a sensação causada pelo que você está assistindo. Mesmo sem óculos imersivos de realidade virtual, você realmente sente que está pilotando um veículo espacial lunar.

A filmagem foi sincronizada com o áudio original dessa missão em particular, o que também ajuda a humanizar os astronautas se você escutar junto. Muitas vezes, quando vestidos com seus espaciais trajes espaciais, eles parecem personagens de um filme de ficção científica. Mas ouvindo suas interações e a narração do que viviam durante essa missão, eles parece tão humanos, como dois amigos em uma viagem casual de domingo à tarde, mesmo que essa viagem fosse a mais de 384.000 km da Terra.