O Instagram está removendo publicações em sua plataforma que apoiam o general iraniano assassinado Qassem Soleimani por causa das sanções dos EUA ao país. Nos dias posteriores à morte de Soleimani, o Instagram e o Twitter foram inundados com postagens de apoio a ele, que alguns consideraram uma campanha de propaganda coordenada, e pediam vingança contra oficiais militares dos EUA.

Em um comunicado fornecido à CNN, a empresa controladora do Instagram, o Facebook, disse que a companhia opera sob as leis de sanções dos EUA, incluindo aquelas relacionadas ao Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica (IRGC) e sua liderança. Soleimani era um comandante do IRGC. De fato, o Instagram suspendeu a conta de Soleimani na plataforma depois que os EUA designaram o IRGC como uma organização terrorista  no ano passado.

Os EUA mataram Soleimani no início de janeiro em um ataque aéreo direcionado. O presidente Donald Trump alega que os EUA agiram porque o general iraniano planejava ataques a várias embaixadas americanas. A justificativa para matar Soleimani, que provocou retaliação militar do Irã, foi questionada por outras autoridades do governo.

Segundo a CNN, o Facebook disse que o Instagram remove contas executadas por, ou em nome, de pessoas ou organizações sancionadas para cumprir a lei dos EUA. Também remove postagens que apoiam as ações de partidos e indivíduos sancionados e buscam ajudar ainda mais suas ações. O Facebook acrescentou que possui um processo de apelação que as pessoas podem usar se sentirem que suas postagens foram removidas por engano.

Após o assassinato de Soleimani, o Instagram suspendeu as contas de pelo menos 15 jornalistas iranianos, informou a Federação Internacional de Jornalistas em comunicado. Embora o Instagram tenha restaurado algumas contas desde então, a federação alega que as postagens que contêm informações sobre Soleimani foram excluídas permanentemente.

A mídia estatal iraniana informou que o governo do país está pedindo uma ação legal nacional contra o Instagram por causa de suas ações recentes. O governo criou um site no qual os usuários podem enviar exemplos de conteúdo removido do Instagram, informou a CNN.

O porta-voz do governo Ali Rabiei protestou contra as ações do Instagram no Twitter.

“Em uma ação não democrática e sem escrúpulos, o Instagram bloqueou a voz de uma nação inocente [que estava] protestando contra o assassinato do general Soleimani, enquanto os verdadeiros terroristas têm direito a uma voz livre”, escreveu ele.

O Instagram é uma das poucas plataformas ocidentais de mídia social que não está bloqueada no Irã. O aplicativo tinha 24 milhões de usuários mensais no país em 2018, o que o tornou um dos 10 principais mercados para o Instagram. O Facebook e o Twitter são proibidos no país, mas podem ser acessados ​​através de uma rede virtual privada. No entanto, há relatos de que o Irã também planeja bloquear o Instagram em um futuro próximo.