Relatos sobre uma suposta vacina desenvolvida por Cuba e um medicamento produzido pela ilha que teria curado mais de 1.500 pacientes na China começaram a circular nas redes sociais nesta semana. Mas, será que é isso mesmo? O Gizmodo Brasil foi atrás da história para saber se era verdade.

De bate pronto, dá para dizer que ainda não há vacina: o próprio veículo estatal cubano que divulgou notícias sobre as soluções do país para o coronavírus diz que tudo estaria em fase de pesquisa, em parceria com o governo chinês. O furor nas redes causou a desinformação e muita gente entrou na onda.

O curioso é que a notícia da imprensa cubana é de fevereiro, assim como o tuíte do presidente Miguel Díaz-Canez que divulgou o feito — somente nesta semana a informação ganhou força no Brasil. De acordo com o jornal cubano Granma, o remédio Interferon alfa 2B tem sido utilizado para tratar pacientes com coronavírus na China e tem sido produzido numa fábrica cubana Chang-Heber, localizada na cidade de Changchun, província de Jilin, na China, desde 25 de janeiro. O Interferon foi originalmente descoberto em 1957 pelo bactereologista britânico Alick Isaacs e o microbiólogo suíço Jean Lindenmann.

Interferon para tratar coronavírus

Sobre o medicamento, é bem possível que tenha sido mesmo usado, mas não se trata de um método recomendado para o tratamento de COVID-19, nome da doença causada pelo novo coronavírus, segundo o Dr. João Prats, infectologista da Beneficência Portuguesa de São Paulo, que conversou com o Gizmodo Brasil. A droga é utilizada, principalmente, para o tratamento de hepatite C, mas foi deixada de lado com o advento de novas terapias.

“Durante a minha formação de infectologista e até um pouco depois, era muito utilizado [o Interferon] para o tratamento da hepatite C. Eu tratei muita gente com ele. Agora, os tempos mudaram, os novos remédios de ação direta contra o vírus vieram e substituíram completamente o Interferon”, diz Prats.

Segundo o infectologista, a droga potencializa a resposta do corpo contra um vírus, seja ele da hepatite ou o coronavírus. “Ele não é um anti-viral, ele é como se fosse um imuno-modulador — ele modula a sua defesa para atacar o vírus. Só que isso não é maravilhoso, infelizmente é um remédio com muito efeito adverso e eficácia ruim por não ter ação direta”, explica.

De forma didática, o Interferon funciona como um alerta no corpo que ativa a resposta imunológica. Porém, se o corpo exagera na resposta, é possível causar inflamações e piorar a doença.

No entanto, a droga pode ter sido utilizada por alguns países na tentativa de tratar pacientes com o coronavírus, inclusive na China, com o uso do medicamento de fabricação cubana.

Uma reportagem do El País aponta, por exemplo, que a Espanha tem feito um tratamento experimental usando lopinavir/ritonavir, também usado para combater infecções pelo HIV, junto ao interferon beta. O Japão também tinha anunciado tratamentos experimentais com drogas utilizadas para a AIDS.

alguns artigos científicos publicados que dedicam-se ao uso de Interferons para o tratamento de outros coronavírus, como o SARS.

O Dr. João Prats alerta, no entanto, que não é um tratamento definitivo, apenas pesquisa. “A gente não tem nenhum trabalho científico publicado sobre os efeitos de drogas A ou B em seres humanos a respeito do coronavírus. Uma das drogas que pode ter um efeito interessante é o Interferon, mas veja, tem cientista testando Interferon, tem gente tentando Cloroquina, tem gente tentando Lopinavir que é um remédio do HIV, tem o Remdesivir que parece bastante promissor. Não tem nada conclusivo, a recomendação atual é que não se use nenhum tratamento desses ainda, só em protocolo de pesquisa”, diz.

Tratamento atual para o COVID-19

Se essas drogas são utilizadas apenas para pesquisa científica, qual é o tratamento usado atualmente para os pacientes com coronavírus? O Dr. Prats explica que se aplica um tratamento de suporte: “A gente dá suporte para as funções dos órgãos, enfim, cuida do pulmão, cuida dos rins, cuida do coração, mas não dá um remédio que trata diretamente o vírus, ainda não tem nenhuma recomendação assim porque está tudo em protocolo de pesquisa essas drogas. Precisamos tratar os sintomas e as disfunções que o vírus causar”, explica.

Porém, é possível que surja uma droga específica para o coronavírus em breve. Em situações de emergência como a do COVID-19, centros de pesquisa se esforçam para encontrar soluções e agências reguladoras como a Anvisa e o FDA (dos EUA) podem ter um protocolo de urgência para a aprovação, desde que artigos científicos demonstrem a capacidade da droga contra a doença.

“Pula-se algumas etapas de regulação das medicações e aprovam, quando você não tem opções terapêuticas para uma situação de epidemia. Isso aconteceu, por exemplo, com um coquetel pro ebola, uma droga para Influenza em 2009 que foi aprovada no mesmo ano. Para situações urgentes, pode haver uma aprovação ultrarrápida. Assim que sair as pesquisas, pode ser que alguns países já tentem padronizar essas drogas para uso, não é nada impossível,” conclui o Dr. Prats.